Marilson Gomes quer ser despedir das corridas com grande atuação

Em sua última prova na carreira, principal corredor do país disputará a maratona olímpica / Foto: Divulgação/FoxEm sua última prova na carreira, principal corredor do país disputará a maratona olímpica / Foto: Divulgação/Fox

Rio de Janeiro - O dia 21 de agosto será uma data histórica para o esporte brasileiro. Além de ser o encerramento da primeira olimpíada no País, marcará a despedida oficial de Marilson Gomes dos Santos das corridas.
 
O principal corredor do Brasil na atualidade disputa a maratona olímpica no Rio e espera uma grande atuação, antes da aposentadoria. O objetivo é melhorar o resultado dos Jogos de Londres, onde foi o quinto colocado.
 
O bicampeão da emblemática Maratona de Nova Iorque e dono de inúmeras conquistas, inclusive o hexa nos 10 KM Tribuna FM, não esconde a ansiedade para sua última grande disputa. Espero fazer uma grande prova e representar o País da melhor maneira possível”, afirma o atleta, destacando como grande dificuldade os rivais do continente africano. A expectativa é pelo equilíbrio durante a disputa.
 
“É duro. A maratona olímpica é muito mais difícil do que as outras. O nível tende a dar uma equilibrada. Espero que não esteja muito rápida e que possa ter a chance de brigar pelas primeiras colocações, melhorar meu resultado da última olimpíada”, comenta. “Estou treinando normalmente, fazendo o que tenho de fazer. Não estou sentindo nenhum tipo de lesão, o que é o mais importante. Dando sequência no trabalho”, acrescenta.
 
O fator “casa” também pode ser seu aliado na busca pela medalha. “Principalmente na maratona, que tem momentos que passamos por certas dificuldades e esse apoio moral, que vem de fora, incentivando, torcendo, faz a diferença. E tenho certeza de que o brasileiro vai dar conta do recado, apoiar”, diz Marilson, reforçando a sua decisão de encerrar a carreira nesta prova.
 
“É definitiva. É a minha última prova. Vou dar o máximo que eu puder e espero fazer uma grande competição. O que depender de mim, vou com toda a garra possível”, crava o corredor, que ainda na Olimpíada quer acompanhar de perto a sua esposa, Juliana dos Santos, nos 3000 metros com obstáculos. “Como ela vai competir logo nos primeiros dias e minha prova é a última, vamos nos apoiar”, conta.
 
Santos - Em sua trajetória vitoriosa, Marilson tem um carinho especial pelos 10 KM Tribuna FM. “Foi a prova que eu comecei a aparecer no atletismo a nível nacional mesmo. Foi a primeira prova. Eu lembro que fui terceiro colocado naquela ocasião e pensei: Opa! Estou chegando”, destaca, lembrando de sua estreia, em 2000. “E comecei a dar o meu recado”, ressalta o atleta, pódio em dez edições, com seis títulos e até mesmo recorde.
 
“Tenho carinho especial pela prova, pelas pessoas de Santos. Afinal, a Juliana é de Cubatão, é da Baixada Santista. Sempre que eu podia participar, fazia questão de estar. Porque é uma prova muito bem organizada, muito legal, as pessoas na rua. É uma corrida que se aproxima muito das que temos nos EUA. Sempre gostei de correr, pela organização, por tudo eu a prova oferece e pelas pessoas na torcida”, elogia.
 
O comparativo com a Maratona de Nova Iorque pela participação popular enfatiza ainda mais a força da prova em Santos. “Tem alguma coisa a mais. Não sou eu só que falo isso. É a opinião de todos. O percurso é muito bom”, enaltece Marilson, acreditando que no futuro a família deva estar novamente representada.  “Vamos ver quando a Juliana vai poder fazer a estreia. Já está correndo 5 mil. Antes era 800 e 1.500. Expectativa é que faça provas de rua e queremos que ela participe, por ser da Baixada. Seria a prova ideal”, completa.
 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook