Mal-estar em briga por vaga olímpica chega à São Silvestre

Solonei Rocha da Silva / Foto: DivulgaçãoSolonei Rocha da Silva / Foto: Divulgação

Rio de Janeiro – “Ele vai chorar na frente da TV depois. Estão enganando ele. É um trouxa.”A fala do maratonista brasileiro Paulo Roberto de Almeida Paula, de 36 anos, referindo-se ao campeão pan-americano da maratona em Guadalajara-2011, Solonei Rocha da Silva, 33, mostra um tom de reclamação e de polêmica.
 
Para entender sobre o que Paulo Roberto está dizendo é preciso relembrar os critérios estabelecidos pela CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) para preencher as três vagas no masculino e três no feminino de que o Brasil tem direito para a maratona dos Jogos Rio 2016.
 
Inicialmente, o critério único para definir os classificados era o tempo. O mínimo estabelecido era de 2h17m para homens e 2h42m para mulheres. No entanto, 11 dias antes do Mundial de Atletismo de Pequim, em 11 de agosto de 2015, a CBAt incluiu um novo critério: quem ficasse entre os 20 primeiros estaria já dentro dos Jogos Olímpicos.
 
A forma de incentivo funcionou e Solonei acabou ficando em 18º lugar, o que o credenciou às Olimpíadas. Paulo Roberto, porém, não havia conseguido se classificar para o Mundial e nenhum outro brasileiro ficou no Top-20.
 
“Esse critério é injusto. Se alguém fizer índice com tempo melhor, acha que vai aceitar ficar fora?", questiona o maratonista, que diz já estar juntando documentos para acionar a Justiça caso não consiga se classificar para a Rio 2016. "Ninguém reclama por covardia, rabo preso. Se eu ficar fora, vou para a briga", brada o atleta.
 
Na lista mais recente divulgada pela CBAt com os brasileiros que atingiram a marca mínima para os Jogos, Solonei e outros nove aparecem com índice, entre eles Paulo Roberto. Agora, porém, com a vaga de Solonei garantida, restam apenas duas para serem disputadas.
 
"Esta São Silvestre vai ser legal porque a rivalidade vai existir entre os brasileiros. Antes não tinha. Agora tem", contou Solonei à Folha de S. Paulo. Segundo o maratonista, sua vaga antecipada gerou um “motim” entre os que ainda não se classificaram. Seu técnico, Ricardo D’Angelo, que por acaso também é técnico-chefe da seleções adultas nas provas internacionais da CBAt, concorda com o critério da entidade.
 
"A CBAt é soberana na elaboração dos critérios de seleção de atletas para eventos como Jogos Olímpicos. Tais critérios foram prévia e amplamente divulgados pela CBAt, e todos eram cientes do mesmo. Entre o período de divulgação dos índices até o momento em que Solonei se classificou por alcançar a 18ª posição em Pequim não houve reclamação, por que só agora?", justifica.
 
A CBAt não se manifestou sobre as reclamações de Paulo Roberto. Nesta quinta-feira, às 9h da manhã, será dada a largada para a São Silvestre, na Avenida Paulista, em São Paulo. Solonei estará presente mas Paulo Roberto preferiu se resguardar para outras provas que participará no ano que vem, em busca de melhorar seu índice olímpico.
 
Veja Também: 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook