Duda fica em 7° no salto em distância

Rosângela Santos faz seu melhor tempo, mas não se classifica para a final dos 100m/ Foto: DivulgaçãoRosângela Santos faz seu melhor tempo, mas não se classifica para a final dos 100m/ Foto: Divulgação

Londres- Na véspera, Mauro Vinícius da Silva, o Duda, já mostrava alguma desconfiança. Para o saltador que havia cravado o melhor índice na fase classificatória, alguns adversários haviam se poupado e a disputa para a medalha de ouro exigiria uma marca bem superior aos 8m11 alcançados. A final lhe deu razão. Em uma disputa forte, a distância alcançada por Duda na véspera não beliscaria nem o bronze. Sem repetir o desempenho, o brasileiro saltou 8m01 e alcançou a sétima posição. O britânico Greg Rutherford venceu a prova, com 8m31.
 
Mesmo com o apoio da torcida local, Duda errou as duas primeiras tentativas. Pressionado pela ameaça de eliminação precoce – após o terceiro salto, apenas os oito primeiros continuam na prova –, o brasileiro acertou um de 7m96, que o levou temporariamente para a quinta posição. Na chance seguinte, melhorou a marca para 8m01, mas não foi adiante nos dois últimos saltos. 
 
“Tinha duas metas: uma consegui; a outra, não. Queria a final e uma medalha. Mas saio com a cabeça erguida, contente por ter feito uma boa participação”, afirmou Duda, que lamentou não ter marcado melhor as passadas para o salto, o que o fez queimar quatro das seis tentativas. Sobre a torcida que lotou o estádio e apoiou intensamente os dois saltadores britânicos, Duda afirmou que seria bom contar com o mesmo incentivo no Rio, em 2016. “Terei 29 anos em 2016. É cedo para fazer qualquer previsão, mas eu espero estar na pista”.
 
Na primeira participação brasileira do sábado, na semifinal dos 100m, Rosângela Santos fez o melhor tempo de sua vida, com 11s17, mas não foi suficiente para colocá-la entre as oito finalistas. A velocista ficou com a 12ª marca entre as mulheres mais rápidas do mundo. Como na véspera, a brasileira não teve uma boa largada. Chegou a ficar entre as últimas, mas conseguiu arrancada impressionante depois dos 50 metros, cruzando a prova em terceiro lugar – apenas as duas primeiras de cada uma das três baterias têm lugar garantido automaticamente na final. As outras duas são qualificadas pelo melhor tempo: Rosângela ficou a 16 centésimos da disputa pela medalha de ouro.

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook