Atletismo aposta nos saltadores para medalha em Londres | Esporte Alternativo - O site de quem pratica esportes !

Atletismo aposta nos saltadores para medalha em Londres

Atual campeã olímpica, Maurren Maggi é uma das grandes esperanças brasileiras em Londres / Foto: Paulo Chi Ho LiSão Paulo - A apenas 100 dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Londres/2012, o atletismo paulista espera saltar por uma medalha. Até agora, 12 atletas atingiram o índice no atletismo para disputar a principal competição do calendário poliesportivo mundial, seis deles em provas de saltos (distância, triplo ou vara).

 

Muitos desses atletas foram motivados pelo desempenho da campeã Maurren Maggi, classificada para Londres/2012 e ouro em Pequim/2008, no salto em distância.

"A maioria dos novos nomes que estão surgindo tiveram um grande estímulo com as conquistas da Maurren", admite o técnico Nélio Moura, que coordena o trabalho de parte dos saltadores olímpicos e é treinador do núcleo do Ibirapuera do Centro de Excelência Esportiva (CEE), projeto da Federação Paulista de Atletismo em parceria com a Secretaria de Esportes, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo.

Além de Maurren, os outros atletas qualificados para os Jogos são Marílson Gomes (maratona), Ana Claudia Lemos (200 m rasos), Mauro Vinícius da Silva, o Duda (salto em distância), Keila Costa (salto triplo), Fábio Gomes (salto com vara) e Fabiana Murer (salto com vara), do Clube BM&F/Bovespa, Jonathan Henrique Silva (salto triplo), da Orcampi/Unimed/CEE, Franck Caldeira (maratona), da Orcampi/Pão de Açúcar, Adriana da Silva (maratona) do E.C Pinheiros, Paulo Roberto de Almeida (maratona), do Cruzeiro E.C, e Bruno Lins (200 m rasos), que está sem clube.

Uma das novidades entre os que podem surpreender com uma medalha é o jovem Jonathan Henrique (Orcampi/Unimed/CEE). Ele é o atual vice-líder do ranking mundial da Iaaf (Federação Internacional de Atlettismo), com 17m39, e tem chance de dar continuidade ao legado olímpico de Adhemar Ferreira da Silva, Nelson Prudêncio, João do Pulo e Jadel Gregório no salto triplo.

"Com o rendimento que ele vem apresentando, a meta é que ele seja finalista na sua primeira participação olímpica. Para isso ele tem de saltar aproximadamente 17m05. Contudo, se ele conseguir manter os 17m39 (marca do índice) ele pode chegar na zona de medalha", comenta Nélio Moura, técnico de Jonathan, atleta do núcleo do Ibirapuera do Centro de Excelência Esportiva (CEE).

Na mesma prova, destaque para a pernambucana Keila Costa (BM&F/Bovespa), que já conquistou índice B da IAAF (14m20) no triplo, mas que dias depois surpreendeu vencendo a prova do salto em distância no GP Sul-Americano Cidade de Santiago, em Santiago, no Chile, com 6m63, a segunda melhor marca do mundo este ano ao ar livre. Com esse resultado, Keila ficou a apenas dois centímetros do índice estabelecido pela CBAt para os Jogos Olímpicos (6m65), também equivalente ao índice B da IAAF.

Ainda na caixa de areia, Mauro Vinícius, o Duda (BM&F/Bovespa), atual campeão mundial indoor, promete chegar bem preparado no salto em distância. Sua melhor marca na prova é 8m27, mas ele ainda precisa melhorar para brigar por uma medalha em Londres. Ouro no Mundial Indoor, com 8m23 na final e 8m28 nas eliminatórias, Duda terá que chegar na casa dos 8m50 para ser finalista.

Outra aposta do atletismo brasileiro está nas provas de salto com vara, com a campeã mundial Fabiana Murer e o medalhista de ouro do Pan de 2007, Fabio Gomes. Os atletas da BM&F/Bovespa estão com o mesmo programa de preparação, com um período longo de treinamentos e poucas competições. Segundo o cronograma, eles finalizam a preparação em Fórmia, na Itália, treinando com o ucraniano Vitaly Petrov, que auxilia o técnico brasileiro Elson Miranda na evolução do salto com vara brasileiro.

"É a primeira vez que eu treino tanto, a gente vê o pessoal competir e dá vontade. Mas como estamos com bastante tempo, os treinos estão sendo bastante focados na técnica. Tem algumas coisas que a gente está melhorando", afirmou Fabio.

O técnico Nélio Moura afirma que as competições no salto estão muito disputadas e isso é muito importante para o crescimento da modalidade. "Hoje você tem uma prova de salto em distância, por exemplo, com mais de 20 concorrentes, antes você via cinco ou seis. A gente até se cansa, como aconteceu no dia do índice do Jonathan, mas isso é excelente, não só por ter uma boa quantidade de pessoas competindo, mas porque se vê muitos atletas de qualidade praticando", explica.


Ainda há tempo para se qualificar - O prazo para obtenção dos índices olímpicos vai até 29 de abril para Maratona e 50km Marcha Atlética, e 1º de julho para as demais provas. Apesar da proximidade, velocistas, fundistas, marchadores, saltadores, lançadores e decatletas estão competindo em diversos torneios buscando se credenciar para o principal evento poliesportivo do mundo. É o caso de Sandro Viana (E.C Pinheiros) e Nilson André (BM&F/Bovespa), que disputam uma vaga nos 100 m rasos.

"Eles estão próximos da marca. O Sandro, por exemplo, já está com 10s38, precisa de 10s24, índice B, ou 10s18, índice A. Basta uma sequência de competições que eles chegarão lá", afirma o treinador Katsuhico Nakaya.

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook