Brasileiros defendem hegemonia na maratona

Jonathan recebe o bastão de Wagner / Foto: Wagner Carmo / CBatJonathan recebe o bastão de Wagner / Foto: Wagner Carmo / CBat

Toronto - Franck Caldeira e Ubiratan José dos Santos defendem na manhã deste sábado (dia 25) a hegemonia construída pelo Brasil, desde a edição de Winnipeg 1999, nos Jogos Pan-Americanos de Toronto: vencer a maratona, uma das provas mais importantes do calendário de competições do Atletismo.

A prova de 42,195 km terá largada às 08 horas de Brasília (07 horas locais), no Ontário Place West Channel, que fica dentro do Parque Pan-Americano. A corrida será disputada num circuito de 10 km, com mais um percurso complementar logo na largada.
 
"Estou tranquilo. Treinei muito bem e espero conseguir fazer o melhor", comentou Franck, medalha de ouro no PAN do Rio 2007. "A prova deve ser difícil por causa do calor e da subida no circuito. Por isso tenho de correr com a cabeça e usar a experiência", completou o mineiro de 32 anos, também 13º colocado na Olimpíada de Londres 2012.
 
Para ficar mais próximos do local de competição, Franck e Ubiratan deixaram nesta sexta-feira (24) os alojamentos da York University, onde estavam treinando, e foram para a Vila Pan-Americana. "A gente ganha um tempo importante antes da largada", lembrou o pernambucano Ubiratan, de 34 anos. O torneio de Atletismo está sendo disputado na York University, que fica a mais de uma hora de ônibus da Vila Pan-Americana.
 
Vanderlei Cordeiro de Lima iniciou a série de vitórias do Brasil na especialidade. Ele ganhou em Winnipeg 1999 e em Santo Domingo 2003. Franck venceu no Rio 2007 e Solonei Rocha da Silva foi ouro em Guadalajara 2011.
 
A última etapa da competição de pista e campo será realizada neste sábado, a partir das 18:35, hora de Brasília. Entre os atletas que estreiam no PAN estão Fernando Ferreira e Talles Frederico Sousa, no salto em altura, e Altobeli Santos da Silva e David Benedito de Macedo, nos 5.000 m.
 
Manhã de sexta-feira

O melhor resultado brasileiro na etapa da manhã desta sexta-feira foi alcançado pela gaúcha Fernanda Borges, que terminou em 4º lugar no lançamento do disco, com 60,60 m, marca obtida na quarta das seis tentativas.
 
"Esperava mais. Estou treinada para mais. Tenho de ver o que errei para corrigir. Quero um resultado melhor em Pequim", disse Fernanda, referindo-se ao Campeonato Mundial, que será disputado em agosto, na China. A outra brasileira na prova, Andressa Oliveira de Morais, terminou na 6ª colocação, com 58,08 m.
 
As cubanas Denia Caballero, com 65,39 m, e Yaime Perez, com 64,99 m, ficaram com o ouro e a prata. O bronze foi para a norte-americana Gia Lewis- Smallwood, com 61,26 m.
 
No salto triplo, Jefferson Sabino ficou em 5º, com 16,43 m (3.0). "Fiz a minha segunda melhor marca do ano e podem ter certeza de que lutei muito para saltar mais. Queria o índice olímpico (16,90 m), mas não deu", lamentou. Jean Cassimiro Rosa, o outro brasileiro da prova, ficou em 14º, com 15,79 m (1.7).
 
O cubano Pedro Pichardo confirmou o favoritismo e levou a medalha de ouro, com 17,54 m (2.1), seguido de Leevan Sands, de Bahamas, com 16,99 (1.7) e do também cubano Ernesto Revé, com 16,94 m (0.9). Com isso, Pichardo, que já saltou 18,08 m este ano, não conseguiu tirar o nome de João Carlos de Oliveira, o João do Pulo, da lista de recordistas do PAN.
 
"Dá um orgulho olhar para o placar e ver a bandeira do Brasil. O João fez história e o nome dele continuará pelo menos até o PAN de Lima", comentou Jefferson. A marca de João do Pulo de 19,89 m foi obtida no dia 15 de outubro de 1975, na Cidade do México. Foi recorde mundial por mais de 10 anos.
 
Na final

Os atletas do revezamento masculino 4x400 m comemoraram a classificação para a final. Numa série muito forte, a segunda das semifinais, a equipe terminou em 4º, com 3:01.66, garantindo vaga na luta por medalhas neste sábado às 23:20 de Brasília.
 
"A prova foi muito forte desde o início, mas não fomos pegos de surpresa. Mesmo esperando um ritmo mais fraco, reagimos bem e agora é pensar num resultado melhor na final", comentou Wagner Cardoso, segundo homem do revezamento. A prova foi aberta por Pedro Burmann e teve ainda Jonathan Henrique da Silva e Hederson Estefani, pela ordem.
 
"O desempenho da equipe foi muito bom, condizente com uma semifinal forte. Agora é pensar na formação da equipe para a final", lembrou o técnico Evandro Lazari, que poupou Hugo Balduíno, bicampeão brasileiro dos 400 m, da prova desta sexta-feira. 
 
No 4x400 m feminino, o Brasil não se classificou. Geisa Coutinho, Flávia de Lima, Liliane Fernandes e Jailma Lima completaram a prova em 6º, com 3:34.97. "Tentei colaborar e fazer o melhor", disse Flávia, medalha de bronze nos 800 m, que substituiu Joelma Sousa, contundida. Flávia disputa neste sábado a final dos 1.500 m, às 20 horas de Brasília.
 
Nas semifinais dos 110 m com barreiras, os brasileiros Eder Antonio Souza e Jonatha do Nascimento Mendes não avançaram. Os dois terminaram em 6º lugar nas suas séries. Eder fez 13.80 (-0.4) e Jonatha completou em 13.81 (0.1).
 
Após as duas primeiras provas do heptatlo, Vanessa Spinola ocupa a 3ª colocação, com 1.915 pontos, enquanto Tamara Alexandrino está na 9ª, com 1.762. A liderança é da cubana Yorgelis Rodriguez (2.021), seguida da norte-americana Heather Miller (2.005).


Veja Também: 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook