Jogadoras do Taubaté são promessas do voleibol brasileiro

Bruna sub 21 Taubaté  / Foto: DivulgaçãoBruna sub 21 Taubaté / Foto: Divulgação

Taubaté - Aos 21 anos, Bruna Moraes e Líivia Copelli sonham alto. As duas fazem hoje parte do time sub 21 do Taubaté, uma das melhores equipes do voleibol de base no Brasil. De cidades diferentes e com histórias opostas as duas sonham em crescer na carreira de atletas e evoluir com o time do interior de São Paulo. 
 
Bruna, natural de Santo André, mas criada em Itanhandu (MG), começou a praticar voleibol aos 15 anos de idade. "Eu conciliava o vôlei e o futebol, só que um dia tive que acabar escolhendo entre um ou outro e acabei escolhendo o vôlei, mesmo não sabendo muito sobre o esporte. Era mais um hobby pra mim, até que no ano de 2015 pouco tempo depois que eu comecei a treinar fui chamada pra morar e jogar no time de Perdões (MG)", conta a jogadora.
 
Com experiência de dois anos no time mineiro, a menina percebeu que o esporte já não era mais um hobby e sim uma paixão. "eu agradeço muito ao professor Wagner e a professora Camila que sempre tiveram paciência em me ensinar", conta.
 
Já Lívia, natural de Veranópolis, Rio Grande do Sul, começou no esporte com 8 anos, na sua cidade natal. Aos 13 anos foi para São Paulo, jogar no time do SESI, equipe que permaneceu por quatro anos. Em 2017 jogou a superliga B por São Bernardo e no meio do ano foi transferida para o Taubaté, time que atua até hoje.
 
"Espero ter uma carreira promissora e longa, me dedicar ao voleibol como minha profissão. Desde que cheguei no Taubaté me sinto muito acolhida por todos, é um excelente clube, nossa equipe é muito aguerrida e centrada em nossos objetivos" , comenta Lívia. 
 
Bruna descobriu, no final de 2016, que iria ocorrer uma peneira no time de Taubaté e não pensou duas vezes em ir. No ano seguinte entrou para o time. "Eu fiquei super feliz em poder fazer parte da equipe, que já estou no meu segundo ano. Conheci e conheço pessoas maravilhosas aqui, mesmo não sendo minha casa aqui é um lar pra mim, tenho uma relação ótima com minhas companheiras de time, toda comissão técnica e todos os dirigentes, um apoio imenso de ambos, tenho orgulho de poder estar representando essa camisa e essa cidade que me acolheu tão bem", comenta Bruna. 
 
Sobre sua carreira, a atleta completa: "Eu espero que seja longa e grandiosa, porém tenho muito que aprender ainda e existe todo um processo até chegar lá, acho que todas as etapas são importantes para me tornar uma grande atleta assim como uma grande pessoa", finaliza.  
 

Veja Também: 

 

 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook