Seleção de remo é definida para o Rio 2016

Fabiana Beltrame, principal nome da modalidade no país, ficou de fora e espera convite para disputar as Olimpíadas  / Foto: DivulgaçãoFabiana Beltrame, principal nome da modalidade no país, ficou de fora e espera convite para disputar as Olimpíadas / Foto: Divulgação

Rio de Janeiro - A Confederação Brasileira de Remo (CBR) divulgou os barcos selecionados para a disputa dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A definição foi feita com base nos resultados da Regata de Classificação Olímpica Latino Americana, realizada no Chile, no fim de março.
 
Representarão o Brasil os barcos de Double Skiff  Peso-leve, tanto no feminino quanto no masculino, com as duplas Vanessa Cozzi/Fernanda Nunes e Xavier Vela/Willian Giaretton. Um dos principais nomes da modalidade, Fabiana Beltrame agora depende de convite para disputar a Olimpíada em casa.
 
Conquista x critérios - Na competição no Chile, a seleção brasileira conquistou classificação olímpica nas quatro provas disputadas, incluindo o Single Skiff de Fabiana. Entretanto, de acordo com as regras estabelecidas pela Federação Internacional de Remo (FISA), o país que tenha qualificado mais barcos por gênero deve optar apenas por um. A regra busca colocar o maior número possível de países e fomentar o equilíbrio entre gêneros no evento.
 
As provas de Double Skiff Peso-leve foram vencidas pelas duplas do Brasil, tanto no masculino quanto no feminino, um feito inédito. Nos barcos Single Skiff, Fabiana Beltrame ficou em segundo lugar entre as mulheres, e Steve Hiestand ficou em terceiro no masculino.
 
A regra para a definição da vaga por gênero foi divulgada pela CBR em novembro de 2015. Ela determina que, em condições iguais de vento, o barco com melhor percentual em relação ao tempo de referência obtém a vaga e, no caso de alteração na condição de vento, o barco com melhor colocação na prova conquista a vaga.
 
Convite - A CBR requisitou a intervenção do Comitê Olímpico do Brasil junto à Federação Internacional de Remo e ao Comitê Olímpico Internacional para que o Brasil possa estar presente nas quatro provas nas quais se classificou. Ao mesmo tempo, a FISA foi oficiada diretamente pela CBR.
 
O pedido é justificado pela qualidade dos atletas demonstrada ao longo dos últimos anos e a relevância de ter um atleta brasileiro em provas de Skiff, em que o Comitê Olímpico Internacional possui o maior número de vagas para convidados, que podem fazer a diferença na promoção e no desenvolvimento local e internacional do remo.
 
Fabiana Beltrame tem três participações olímpicas (Atenas 2004, Pequim 2008 e Londres 2012), foi campeã mundial em 2011, tem diversas medalhas em Copas do mundo e duas pratas em Jogos Pan-Americanos.
 
Veja Também: