Cadê o vento? Barcos literalmente boiam em Ilhabela

Névoa no Canal / Foto: Aline Bassi/FotopNévoa no Canal / Foto: Aline Bassi/Fotop

Ilhabela - A falta de ventos foi determinante, mais uma vez, para as regatas da 43ª Semana de Vela de Ilhabela, Repetindo a situação das regatas de longo percurso no domingo (3), os barcos sofreram para concluir as provas, que desta vez foram menores, realizadas dentro do Canal de São Sebastião. 
 
Os veleiros inscritos no maior evento oceânico da América Latina foram para a água com rajadas de 10 a 12 nós soprando de sudoeste, mas a brisa cada vez mais fraca ao longo do dia influenciou os resultados. 
 
A organização foi obrigada a cancelar as regatas das classes HPE 30 e C30 e diminuir o tamanho de outras categorias como RGS. O fato mais curioso da terça-feira (5) foi que a prova de ORC teve apenas um veleiro que conseguiu concluir a tempo. O Carioca (Roberto Martins) fez uma largada perfeita no percurso de barla-sota (ida e volta) e se aproximou da costa para fugir da corrente. A estratégia deu certo e o barco do Rio de Janeiro foi o único da categoria a concluir a prova no tempo limite. 
 
"Fizemos uma boa largada, no sotavento da flotilha, e passamos a primeira perna em contravento. Nos posicionamos bem em relação à flotilha, conseguimos nos manter na frente e fomos ganhando distância. Tivemos sorte porque o vento terminou só na última perna, e conseguimos chegar muito na frente. Acho que deu pra ganhar a regata", explicou Gabriel Penido, tripulante do Carioca e filho de Eduardo Penido, medalha de ouro nos Jogos de Moscou 1980 na classe 470 com Marcos Soares. 
 
Quem conseguiu chamar atenção foi o barco Maestrale Logsub Mapman (Adalberto Casaes), um dos menores barcos da ORC. O Skipper 30 acertou na estratégia ao escolher o melhor lado após contornar a última boia sozinho, mas não bem sucedido, completando a prova acima do tempo permitido. ''Nós percebemos que o vento rondou e buscamos o baixio, passando muitos barcos. Do lado do litoral tinha vento e do lado mais da costa não. Parecia que os outros estavam num engarrafamento Infelizmente deu DNF, mas foi interessante que chagamos de balão arribando para a comissão'', disse Adalberto Casaes.
 
Já os HPE30 e C30 não tiveram a mesma sorte. As duas classes, que disputam simultaneamente a Semana de Vela e o Grand Prix dos 30 Pés, iniciado nesta segunda-feira (4), tiveram suas regatas anuladas. Devido à falta de vento no final da tarde, elas ultrapassaram o tempo limite para concluir a prova. 
 
"Fomos pra água com um ventinho sul bom, entre 10 e 12 nós. Mas a regata é bem longa, com duas milhas cada perna, um total de 8 milhas, e tem um prazo de duas horas para completar. E o vento foi parando ao longo do dia, o que nos impediu de terminar o percurso nessas duas horas. Por isso nossa prova foi anulada, o que é uma pena, porque a gente estava com um bom desempenho. São coisas da vela, não dá para controlar o vento", disse Fábio Pillar, do Caiçara, que compete pela C30.
 
Apesar de pouco vento, a brisa e o sol, que brilhou forte do início ao fim, com temperatura em torno dos 23 graus, renderam boas imagens do Canal de São Sebastião. 
 
Os resultados completos estão disponíveis no site oficial do evento: www.svilhabela.com.br/2016/resultados.
 
Veja Também: 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook