Quenianos brilham em chegada emocionante na São Silvestre

No masculino Kibiwott Kandie assegurou o primeiro lugar em uma bela arrancada, nos metros finais da disputa, surpreendendo o atleta de Uganda Jacob Kiplimo, que liderou boa parte da corrida  / Foto: Mariana Cavalcanti/Gazeta PressNo masculino Kibiwott Kandie assegurou o primeiro lugar em uma bela arrancada, nos metros finais da disputa, surpreendendo o atleta de Uganda Jacob Kiplimo, que liderou boa parte da corrida / Foto: Mariana Cavalcanti/Gazeta Press

São Paulo - Emoção não faltou na 95ª Corrida Internacional de São Silvestre, realizada nesta terça-feira, dia 31, pelas ruas da capital paulista. E a vitória ficou novamente com os representantes africanos. 
 
No masculino Kibiwott Kandie assegurou o primeiro lugar em uma bela arrancada, nos metros finais da disputa, surpreendendo o atleta de Uganda Jacob Kiplimo, que liderou boa parte da corrida, e completou em segundo. Titus Eriku, estreante na São Silvestre ficou em terceiro (43min54s).
 
Kibiwott ainda estabeleceu o novo recorde da prova, que tem 15km desde 1991, com o tempo de 42min59s. A marca batida pertencia a outro queniano, Paul Tergat (43min12s), obtida em dezembro de 1995. No feminino, Brigid Kosgei, recordista mundial da maratona e grande favorita, faturou o topo do pódio em sua primeira participação, com o tempo de 48min54s.
 
As disputas confirmaram o alto nível técnico da competição, que nesta edição passou a ter o status de Bronze Label da World Athletics (IAAF), ganhando ainda mais destaque no cenário mundial.
 
Na largada, um grupo de nove atletas despontou. Neste pelotão só tinham corredores africanos. Já no decorrer da prova, Kibiwott e Jacob abriram distância para o segundo pelotão. E fizeram o percurso praticamente juntos. Na subida da Brigadeiro, o atleta de Uganda, abriu um pouco, mas não chegou a ser uma distância confortável.
 
Na chegada, na Avenida Paulista, Jacob tentou administrar, mas foi surpreendido pelo oponente, que veio muito rápido e esperou o momento certo para o sprint, e assim, garantiu o primeiro lugar, e também conquistou o recorde da prova.
 
Aos 23 anos e estreante na prova, Kibiwott comemorou o resultado. “Vim junto com o Jacob o percurso todo, e na Paulista, quando vi que a chegada estava perto, achei que realmente dava para alcançá-lo, acelerei o passo, e pensei tenho que ganhar.’ Eu o ultrapassei e logo cruzei, conquistando a vitória. Estou muito feliz”, comemorou o queniano, novo recordista da Corrida Internacional de São Silvestre, batendo o recorde, depois de 24 anos.
 
Jacob Kiplimo também impôs ritmo forte, e estava a poucos passos de vencer. Apesar de surpreso, ficou contente com o próprio resultado. “Não esperava que ele estivesse tão perto e tão rápido. E nem dei conta que ele estava para me passar. Apesar disso, fiquei feliz com a vitória de um colega e também pelo meu segundo lugar. Fica a lição para eu treinar ainda mais”, disse o atleta de 19 anos.
 
O melhor brasileiro na prova foi Daniel Ferreira do Nascimento, que chegou em 11o, com o tempo de 46min32s. “É bastante gratificante ser o melhor brasileiro na prova e chegar ali perto do top-10. É uma prova difícil. Ano passado acabei abandonando. Mas, nesse ano estou contente, pois acompanhei os quenianos até o KM 7, e acho que obtive uma boa experiência. A torcida incentivando é muito bacana. Estou feliz e espero voltar em 2020”, contou Daniel, de 21 anos.
 
Brigid Kosgei estreia com vitória - No feminino, a estreante Brigid Kosgei, de 25 anos, confirmou seu favoritismo. E venceu a disputa de forma absoluta, de ponta a ponta. Logo na largada, Brigid saltou na frente, e ditou o ritmo da prova. Liderando toda a disputa e sem ser ameaçada pelas concorrentes. Na chegada na Avenida Paulista, a queniana cruzou a linha de chegada com tranquilidade, completando com o tempo de 48min54s.
 
“Fiquei muito feliz por esse resultado. Gostei da prova e do público aplaudindo e me incentivando ao longo do percurso. Apesar de uma certa tranquilidade, vim ditando um ritmo forte, desde a largada”, comemorou.
 
Entre as mulheres, Graziele Zarri foi a melhor brasileira na prova. A atleta do Esporte Clube Pinheiros completou a disputa em 11o, com o tempo de 54min56s. “Eu sou uma vencedora, minha história de vida é de superação. Estou muito feliz em ser a melhor brasileira nessa prova tão especial”, comemorou Graziele.
 
Resultados de 2019 – Elite
 
Masculino
 
Kibiwott Kandie (Quenia), 42min59s (novo recorde)
Jacob Kiplio (Uganda), 43min00
Titus Ekiru (Quenia), 43min54s
Geofry Toroitich Kipchumba (Quênia), 45min10s
Joseph Panga (Tanzânia), 45min33s
 
Feminino
 
Brigid Kosgei (Quênia), 48min54s
Sheila Chelangat (Quênia), 50min10s
Tisadk Alem Nigus (Etiópia), 50min12s
Pauline Kaveke Kamulu (Quênia), 50min28s
Delvine Relin Meringor (Quênia), 50min51s
 
Veja Também: