Ginástica comemora possibilidade de final, apesar de desfalques

 Daiane dos Santos fez a melhor apresentação no solo da primeira sessão/ Foto: Divulgação Daiane dos Santos fez a melhor apresentação no solo da primeira sessão/ Foto: Divulgação

Londres- Depois de uma preparação final marcada por desfalques, a equipe brasileira feminina de ginástica terminou a fase de classificação dos Jogos Olímpicos de Londres com um abraço emocionado que não apenas celebrou a união do grupo diante das dificuldades: Daiane dos Santos fez a melhor apresentação no solo da primeira sessão, disputada na manhã deste domingo, 29 de julho, na North Greenwich Arena, e saiu do tablado sonhando com uma vaga na final. Apesar de um erro no solo, Daniele Hypólito compensou na trave e tem esperanças de um lugar entre as 24 ginastas da final individual geral - em que há restrições de duas ginastas por país.

 

Com pontuação geral de 161.295, a equipe brasileira terá de esperar até o final do programa de hoje, previsto para 17h30 (horário de Brasília) para saber sua posição. Os oito melhores times se classificam para a final, marcada para terça-feira (31). A final individual geral será disputada no dia 2 e o solo, no dia 7. "Queríamos fazer o melhor e conseguimos, apesar dos erros. Sou uma perfeccionista e me cobrei muito para compensar na trave os problemas do solo. Depois de tudo o que aconteceu, queríamos dar o máximo", afirmou Danielle.
 
A ginasta admitiu que a tristeza pela desclassificação do irmão Diego nas competições de sábado foi um fator emocional a mais. "Claro que a gente sabe o como é importante se concentrar, mas eu e meu irmão somos muitos ligados. Foi difícil", explicou ela, que participa de sua quarta edição de Jogos Olímpicos.
 
Já Daiane elogiou a atuação geral da equipe, com palavras de carinho especiais para Harumi de Freitas, que se apresentou na trave depois de "promovida" a titular pelas lesões. A ginasta, de 17 anos, veio a Londres apenas para pegar experiência e sequer participara dos treinos de pódio. "A Harumi nunca participou de um Mundial, por exemplo, e hoje foi a primeira vez que ela pisou na arena.Todo mundo precisou se superar e por isso tivemos aquele abraço. Foi um momento nosso para desabafar e conversar", contou.
 
Sobre a final, Daiane explicou ter optado por uma série mais limpa, guardando para a possível disputa decisiva os movimentos mais complexos. "Se for a final, vou dar saltinhos, mas o que queria mesmo era ter vindo a Londres e mostrado o meu melhor".

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook