Esgrima acredita em bom desempenho

Liderada por Renzo Agresta, equipe se prepara também para os Jogos Rio 2016/ Foto: DivulgaçãoLiderada por Renzo Agresta, equipe se prepara também para os Jogos Rio 2016/ Foto: Divulgação 

Londres- A participação da esgrima do Brasil nos Jogos Olímpicos Londres 2012 tem início neste domingo, dia 29 de julho. O primeiro brasileiro a pisar na arena montada no Complexo ExCeL é Renzo Agresta, de 27 anos, do sabre, justamente o principal nome da modalidade no país e em quem se deposita as maiores chances de medalha. Esgrimista mais experiente da equipe – esteve em Atenas 2004 e Pequim 2008 –, o paulistano vai enfrentar Wagner Benedikt, da Alemanha, em duelo marcado para as 7h50 (horário de Brasília). O brasileiro, porém, tem como grande preocupação, além do adversário, a plena recuperação de uma contusão no tornozelo, ocorrida há cerca de um mês.

 

“O Renzo tem totais condições de avançar, os dois esgrimistas são do mesmo nível. Tanto que ele é o 17º do ranking mundial e o alemão é o 16º. Tudo vai depender de como vai reagir à contusão, que ainda incomoda um pouco. Mas ele tem se dedicado muito à fisioterapia, vem treinando bem. E se jogar bem e passar dessa fase, pode ganhar confiança e até lutar por uma medalha”, analisa Alexandre Teixeira, técnico e chefe da equipe brasileira, que explica o porquê do termo jogar, quando se refere ao duelo entre os esgrimistas.
 
“A esgrima, na verdade, é considerada um jogo, não uma luta. Ela não é utilizada como defesa pessoal, como nas artes marciais, por exemplo. Por isso, seus duelos são como uma partida, não como um combate”.
 
Além de Renzo, o Brasil estará representado por outros dois esgrimistas, que disputam os Jogos Olímpicos pela primeira vez: Athos Schwantes, de 27 anos, da espada, e Guilherme Toldo, de 19, do florete. Enquanto Athos inicia sua disputa na próxima terça-feira, dia 31 de julho, Guilherme estreia nos Jogos no dia seguinte.
 
Apesar de esperançoso em uma boa participação dos dois estreantes, Alexandre Teixeira frisa que os esgrimistas serão uma aposta mais segura em relação aos Jogos Rio 2016.
 
“Os dois ainda estão em fase de ambientação, em que tudo é novidade. O Guilherme, por exemplo, ainda é juvenil. Para se ter uma ideia, ele era uma das 16 jovens promessas para 2016, e que foram escolhidas pelo COB para estar em Londres e sentirem de perto o clima dos Jogos. Mas ele se classificou e acabou contribuindo de duas formas: aumentou a equipe de esgrima do Brasil em Londres e abriu uma vaga para outro jovem entre os 16”.