Brasil deixa medalha escapar após perder substituto de Pessoa

Pedro Veniss competiu pelo Brasil nesta quarta / Foto: David Ramos / Getty ImagesPedro Veniss competiu pelo Brasil nesta quarta / Foto: David Ramos / Getty Images

Rio de Janeiro – A equipe de hipismo saltos do Brasil, depois de um resultado surpreendende nas duas primeiras rodadas classificatórias da Rio 2016, chegou ao Centro Olímpico de Hipismo com uma enorme desvantagem na disputa final, nesta quarta-feira: Stephan Barcha, o cavaleiro que substituiu o campeão olímpico Rodrigo Pessoa, acabou desclassificado por ter causado um corte em seu cavalo com a espora, na terça. 

Assim, mesmo estando empatada na primeira colocação com três potências do esporte (Estados Unidos, Holanda e Alemanha), sem nenhuma falta contabilizada, a equipe chegou sob pressão, pois não teria nenhuma apresentação para descartar (quando se tem quatro cavaleiros, a pior exibição não precisa ser contada). 

A torcida brasileira lotou as arquibancadas, em Deodoro, para acompanhar a final dos saltos por equipes e também a terceira rodada do individual. Mesmo sem poder ajudar muito, já que a modalidade exige silêncio absoluto, os torcedores viram os três cavaleiros brasileiros em ação no belíssimo circuito que faz referência a monumentos da arquitetura do Brasil.

Infelizmente, o primeiro brasileiro a se apresentar, Eduardo Menezes, cometeu uma falta ao derrubar uma das barras de um dos obstáculos e acabou penalizado. Álvaro de Miranda, o Doda, mais experiente dos três, em sua sexta Olimpíada, acabou também cometendo erro parecido. Pedro Veniss, que ainda poderia levar o país ao bronze caso zerasse o percurso (disputaria o desempate com Canadá e Alemanha), sucumbiu em um dos aparelhos, além de ter tomado uma penalidade por tempo. 

Pódio ficou com França (ouro), Estados Unidos (prata) e Alemanha (bronze) / Foto: David Ramos / Getty ImagesPódio ficou com França (ouro), Estados Unidos (prata) e Alemanha (bronze) / Foto: David Ramos / Getty Images

“A gente queria uma medalha, mas fica a sensação que a gente fez o máximo absoluto, no processo de preparação e aqui, nas provas de equipe. A gente teve a infelicidade de entrar com três conjuntos, o que complica. Um de nós não fazer zero hoje foi o preço que a gente pagou. A falta que o Eduardo fez... Você não entende muito, ele montou bem, o cavalo desconcentrou. Minha falta também foi leve, uma que eu nunca fiz com esse cavalo. Mas agora tem que usar isso como motivação para poder brigar pelo ouro no individual”, declarou Doda.

Pedro Veniss era visivelmente o mais abatido entre os três por ter perdido a medalha. Disputando sua segunda Olimpíada, o brasileiro lamentou a desvantagem de ter somente três conjuntos na final.

"Eu acreditava que a gente poderia ganhar essa medalha, chegamos perto e não conseguimos. É uma desvantagem [ter só três conjuntos], mas a gente sabia que não poderia cometer nenhum erro, as outras equipes tinham essa vantagem, mas infelizmente não conseguimos essa medalha", avaliou. 

A forte seleção de saltos da França confirmou o favoritismo e foi medalhista de ouro. Os Estados Unidos terminaram na segunda colocação e o bronze acabou sendo definido entre canadenses e alemães, após empate em penalidades. A Alemanha levou a melhor e completou o pódio de saltos por equipes da Rio 2016. O Brasil acabou na quinta colocação.

Encontrado no backstage da competição após o resultado, o brasileiro Rodrigo Pessoa analisou a participação brasileira e seguiu a linha dos titulares. "Você chegar numa posição como chegou, empatado pelo ouro entre as melhores do mundo, mas você não tendo o descarte é uma desvantagem muito grande. Eles lutaram, mas infelizmente não conseguiram atingir o objetivo, a expectativa. Estavam diminuídos hoje e isso faz a diferença", finalizou o campeão olímpico da prova de saltos individual em Atenas 2004.

Veja Também: 

 

 

 

 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook