Thais Fidélis e Ana Luiza Lima brilham no Brasileiro de Especialistas

Thais Fidélis, ouro no solo   / Foto: Osvaldo F./ContrapéThais Fidélis, ouro no solo / Foto: Osvaldo F./Contrapé

Santos - Thais Fidélis e Ana Luiza Lima, do CEGIN, brilharam no Campeonato Brasileiro de Especialistas de Ginástica Artística, disputado no fim de semana (18 e 19/8/2018), na Arena Santos, no litoral paulista. As atletas dominaram o pódio do solo - Thais foi campeã e Ana Luiza, de apenas 13 anos e ainda juvenil, conquistou o bronze em uma competição de adultos.
 
O Centro de Excelência de Ginástica do Paraná ainda se manteve entre os melhores times femininos do país, ao conquistar o vice-campeonato do Brasileiro por Equipes. A final, que deveria ter sido realizada em 23 de julho e acabou adiada por problemas na iluminação do ginásio de São Bernardo do Campo, foi disputada no sábado (18/8), em Santos. O CEGIN garantiu a prata com a nota final de 153.650. O Flamengo venceu com 159.600 e a ADC São Bernardo foi bronze com 151.300.
 
Nas disputas individuais, Thais Fidélis foi o grande destaque. A ginasta de 17 anos, finalista no solo do Mundial de Montreal/2017, conquistou três medalhas. Além do ouro no solo, com 13.750, foi bronze no individual geral na 2ª Etapa do Brasileiro Adulto (51.950), disputado no sábado, em Santos, e também bronze no individual geral na somatória das duas etapas (a 1ª Etapa foi em São Bernardo).
 
"Eu tenho certeza que ainda posso melhorar depois de ter ficado um tempo sem competir, entrando em forma. No solo, hoje, na final, fui melhor do que ontem, na classificatória, mesmo tendo errado a primeira passada, porque coloquei o pé para fora. Gostei da nota, mas ainda dá para melhorar, colocar algum elemento novo na série e subir mais a nota. A execução foi boa."
 
Já Ana Luiza Lima, que completou 13 anos no dia 8 de agosto, encantou o público da Arena Santos com a série do solo inspirada no clássico Luzes da Ribalta, filme de Charles Chaplin. Ainda juvenil, foi bronze com a nota 13.150 - Flávia Saraiva, do Flamengo, foi prata (13.500). "Eu fiquei muito feliz de competir com a Thais, a Flávia, a Daniele Hypolito. Foi muito bom ir ao pódio com elas. Minha série é boa para a minha categoria, mas para um nível mais avançado, ainda preciso melhorar", disse Ana Luiza, que adorou o apoio da torcida em Santos. "Esse é o sonho de toda ginasta, deixar as pessoas felizes com que o que você está fazendo. Eu quero fazer minha coreografia ainda mais limpa para agradar o público e os juízes."
 
Ana Luiza disputou a competição após se recuperar de uma cirurgia no cotovelo esquerdo. "Operei em maio, fiquei um mês totalmente parada e faz três semanas que eu fui liberada".  Natural da cidade de Telêmaco Borba, foi descoberta na Escola Municipal Leopoldo Mercer - ela conta que técnicos do CEGIN foram à cidade fazer um teste e ela foi a única aprovada, com apenas 7 anos. Mudou-se, então, para Curitiba, para dedicar-se à ginástica. Considerada uma promessa para a ginástica brasileira, já participou de camping de treinamento com a seleção brasileira.
 
Irina Ilyashenko, treinadora chefe do CEGIN, aprovou a competição. "Foi bom. Tivemos alguns erros que ainda vamos trabalhar, mas gostei." O técnico Roger Medina também ficou satisfeito com os resultados conquistados em Santos. "A Thais e a Ana Luiza fizeram boas provas. A Thais teve um errinho na primeira diagonal que vamos corrigir. E a Ana Luiza, voltando de cirurgia, foi bem. Conseguimos colocá-la para competir após a cirurgia, e ela entrou na final e conquistou medalha em um campeonato de grande importância."
 
O CEGIN também foi ao pódio nas paralelas assimétricas, com Carolyne Pedro, que conquistou o bronze (12.600), e na trave, com Júlia Soares, também bronze (12.250). Júlia, também juvenil, destacou-se na disputa do individual geral de sua categoria (até 13 anos): foi campeã com a nota 50.550.
 
Veja Também: 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook