Sesc RJ estreia com vitória na Superliga

Equipe carioca venceu o Curitiba nesta sexta por 3 sets a 0  / Foto: Divulgação/Sesc RJEquipe carioca venceu o Curitiba nesta sexta por 3 sets a 0 / Foto: Divulgação/Sesc RJ

Rio de Janeiro - O Sesc RJ fez sua estreia na Superliga 18/19 na noite desta sexta-feira (16.11) da maneira como se esperava. Diante do Curitiba, o time carioca venceu por 3 sets a 0 (25-21, 25-20 e 25-11) e fez a alegria dos torcedores que estiveram em bom número do ginásio do Tijuca Tênis Clube. Destaque para a atuação da ponteira Peña, que foi decisiva para o triunfo e levou o prêmio como melhor em quadra.
 
A dominicana não conseguia esconder a alegria pela bela atuação. Mas ao mesmo tempo em que distribui ataques potentes é de poucas palavras, como se guardasse toda sua força para as quadras. “Acho que fui bem. Mas ainda posso melhorar”, avaliou Peña.
 
Sobre a importância de se ter um elenco forte e participativo, a ponteira voltou a ser sucinta. E precisa, como se estivesse sem bloqueio na entrada de rede. “Num time é fundamental que todas participem. E aqui é assim”, resumiu.
 
Ainda procurando a melhor maneira de atuar nesta temporada, Bernardinho tem aproveitado quase todas as jogadoras de seu elenco nas partidas. Seja para dar consistência na linha de passe ou para ter um saque mais preciso, o treinador tem mostrado que confia em suas comandadas. E elas esperam corresponder. 
 
“O caminho é esse mesmo. Formar um time propriamente dito. Afinal, é o coletivo que conta. Sabemos que qualquer uma que entrar em quadra precisa dar o seu melhor. Seja para jogar todo o tempo ou para dar um saque, para fazer o fundo de quadra ou aumentar a rede. É preciso ter em mente que temos que manter a qualidade sempre”, analisou a líbero Gabi, que com a recente mudança para a nova posição, brincou sobre sua antiga função de ponteira.
 
“Tem horas que ainda dá aquela vontade de pedir uma bolinha. Mas é só vontade, brincadeira. A chave já virou e espero continuar ajudando minha equipe na nova função”.
 
O próximo compromisso do Sesc RJ será na terça-feira (20.11), diante do Brasília, às 19h30, no ginásio do Tijuca Tênis Clube.
 
O jogo - Apesar de estreante na elite do voleibol brasileiro, o Curitiba não se intimidou diante do maior campeão da Superliga. A equipe sulista conseguiu manter por bastante tempo o equilíbrio na primeira parcial. Quando Kosheleva acertou a bola mais bonita do primeiro set, uma diagonal curta pela entrada de rede, e em seguida Mayhara marcou em uma bola de check, o Sesc abriu dois pontos: 12-10. Só que logo as visitantes foram buscar o empate em um ace da ponteira Priscila: 12-12. A mesma situação se repetiu algumas vezes até o time carioca conseguir abrir 20-17, em uma passagem de Monique pelo saque. E com outro serviço eficiente, com direito a ace, desta vez da ponteira Kasiely, o Sesc RJ fechou: 25-21 em um erro do adversário.
 
O domínio do Sesc RJ não se manteve no início do segundo set. Errando bastante, as donas da casa viram o Curitiba abrir 5-1. Bernardinho pediu tempo e conseguiu acertar sua equipe, que usou do poderio ofensivo da ponteira Peña para fazer três pontos seguidos e encostar: 4-5. A virada não demorou a acontecer e veio em um ace da meio de rede Mayhara: 8-7. Após um belo rally, Monique fez 13-10, mas a equipe paranaense acabou buscando o empate: 14-14, num erro da equipe carioca. 
 
O Sesc RJ conseguiu abrir vantagem novamente com a dominicana Peña, que marcou duas vezes, no ataque, sua especialidade, e no bloqueio, para fazer: 17-15. A margem se manteve pequena e só no final da parcial que o time carioca conseguiu abrir. Fez 22-19 em um erro do Curitiba e confirmou quase todos os seus serviços para fazer 25-20.
 
Com a vantagem conquistada nas primeiras parciais, o Sesc RJ sobrou no terceiro set. Após uma bomba da ponteira Peña pela entrada de rede, o time de Bernardinho fez 8-4. Em seguida, dois aces fizeram a vantagem no placar crescer ainda mais: 11-5 com Monique e 14-16 com Peña. Era questão de tempo para fechar o jogo. Mas ainda deu tempo de um belo ataque de Kosheleva, batendo por cima do bloqueio: 17-8. E de um ace da meio de rede Linda, que entrou no lugar de Mayhara: 23-10. O ponto final ficou por conta de um erro do Curitiba: 25-11.
 
 
 
 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook