Franck Caldeira confirma presença na 93ª edição da São Silvestre

Campeão em 2006, fundista da B3 Atletismo retorna à tradicional disputa do dia 31 de dezembro. "Vai ser muito gostoso voltar a correr a São Silvestre" / Foto: Osvaldo F./B3 AtletismoCampeão em 2006, fundista da B3 Atletismo retorna à tradicional disputa do dia 31 de dezembro. "Vai ser muito gostoso voltar a correr a São Silvestre" / Foto: Osvaldo F./B3 Atletismo

São Paulo - Campeão da Corrida Internacional de São Silvestre, o fundista Franck Caldeira, da B3 Atletismo, confirmou seu retorno à mais tradicional prova de rua do Brasil, que no dia 31 de dezembro de 2017 terá sua 93ª edição. Franck, de 34 anos, venceu a prova em 2006 e disputou os 15 km pela última vez em 2010. 
 
"Vai ser uma reestreia. A corrida está em um horário diferente (a largada da elite masculina é às 9 horas), com um percurso diferente também daquele que eu disputei", diz o corredor, animado com a confirmação na prova. "Correr a São Silvestre é sempre um desafio: tem a questão do clima, do ritmo nas descidas e subidas, além dos trechos sinuosos. É uma prova que é muito técnica, e ficou mais ainda." A B3 Atletismo ainda terá mais dois atletas na disputa: Eder Uillian da Silva, que foi o 15º colocado em 2015, e Robson Pereira de Lima, 14º em 2014.
 
O fundista explica que a mudança de objetivos na carreira, motivada pelo início do trabalho com o técnico Ricardo D'Angelo e o desejo de se dedicar às maratonas, fizeram com que ele deixasse de disputar a São Silvestre por tanto tempo. Franck está feliz por voltar a correr a prova e afirma que é preciso fazer um treinamento específico para ter um bom papel.
 
"Comecei a trabalhar com o Ricardo em 2011 e, naquele momento, meu objetivo era fazer o índice para a maratona da Olimpíada de Londres. Corri duas vezes a Maratona de Fukuoka, no Japão, que é em dezembro, e não teria como correr a São Silvestre", explica Franck, que alcançou a sua meta e disputou os Jogos de 2012, terminando a prova na 13ª colocação.
 
No ciclo olímpico para o Rio, Franck estabeleceu metas que também impediram seu retorno à prova. "Em 2013, fiz uma espécie de reformulação, para pensar como seria o próximo ciclo, e também parei para tratar algumas lesões. No ano seguinte, passei a fazer parte da B3 Atletismo. Foi legal porque, com os compromissos do clube, retornei às provas de pista - fazia uns oito anos que não disputava o Troféu Brasil."
 
Em 2015, o fundista começou a preparação para a busca do índice olímpico para os Jogos Rio-2016. Ele superou a marca mínima ao correr a Maratona de Hamburgo, em abril de 2016, em 2h13min17. Mas ficou em 4º no ranking nacional e cada país pode inscrever apenas três atletas por prova. "Fiquei muito perto de ir, mas 2015 foi um ano complicado, me lesionei, e só consegui fazer uma boa periodização para 2016, quando corri Hamburgo".
 
Para correr a São Silvestre nesta temporada, Franck fez alterações na sua programação. "Foi difícil ficar fora da Rio-2016, então decidimos inverter a programação este ano. Aí fiz uma maratona no primeiro semestre, corri a Pampulha, e vai ser muito gostoso voltar para a São Silvestre, uma prova que já venci, que vai trazer um estímulo a mais".
 
Em abril, Franck foi terceiro colocado na Maratona Internacional de São Paulo. Disputou o Troféu Brasil em junho. Retomou a rotina em outubro, recuperado de uma lesão nas costas. Em 3 de dezembro, o fundista correu os 18 km da Volta da Pampulha e ficou na 8ª posição. 
 
Mais informações: www.B3.com.br/atletismo
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook