Celina Carpinteiro muda de dupla para buscar título na categoria mista

Celina Carpinteiro (esq.) na Brasil Ride 2017  / Foto: Ney Evangelista / Brasil RideCelina Carpinteiro (esq.) na Brasil Ride 2017 / Foto: Ney Evangelista / Brasil Ride

São Paulo - Se existe uma categoria na edição de 2018 da Brasil Ride em que é impossível limitar a duas ou três equipes favoritas, esta é a das duplas mistas. Desde 2014, os campeões se alternaram no topo do pódio. 
 
Neste ano, não será diferente, pois Sonya Looney e Gordon Wadsworth não estarão na disputa para defender o título no extremo Sul da Bahia, entre 21 e 27 de outubro, em Arraial d'Ajuda, Porto Seguro, e em Guaratinga. Levando em consideração a última edição da prova, em teoria a parceria portuguesa formada por Celina Carpinteiro e José Silva (parceiro de Tiago Ferreira em 2017) seria franca favorita. Mas, na prática, tudo poderá ser diferente.
 
Além de Celina Carpinteiro e José Silva, da equipe Silva & Santos, outros times prometem elevar o nível da categoria. São os casos das duplas formadas pela belga Vladi Pokobova, experiente em provas de etapas, e o brasileiro Renan Silva, da Specialized Mix; dos portugueses Ana Antunes, atual campeã nacional, e André Rocha, do Ser e Parecer Pro Bike Team; dos argentinos Valeria Urruchua e Hernan Dattilo, do Mongoose Adventure Team; da postulante a uma vaga em Tóquio-2010 e campeã feminina em 2016 da Brasil Ride, Letícia Cândido, e seu companheiro Francisco Silva, do Audax FSA Team; e da alemã Naima Diesner e Luis Fernando Zogaib, do Full Gas Team. Essas e outras parcerias, entre mais de 30 equipes, tornam a disputa pela camisa verde uma luta completamente imprevisível.
 
Em busca do segundo título na competição - venceu a primeira disputa feminina, em 2010 - Celina tem a experiência na prova a seu favor. Ela competiu a Brasil Ride em 2014, 2016 e 2017. "Este ano aceitei o desafio de um amigo e grande atleta, o José Silva. É quase irresistível não participar de uma das maiores provas de mountain bike do mundo, na qual tenho tantos amigos. Não fiz uma preparação específica, pois tenho um período competitivo muito longo e com algumas provas de etapas. Mas o Zé e eu decidimos fazer uma corrida que serviu como teste e tudo foi muito bem. Não só em termos de resultado, porque ganhamos, mas também em termos de entendimento", conta Celina.
 
"Sei que teremos muita dificuldade pelo caminho. Conhecemos bem o terreno, o que poderá ser uma vantagem. A nossa experiência em provas de etapas nos diz que cada dia é uma nova fase e tudo pode acontecer. O primeiro objetivo é terminar, mas é claro que, se tudo correr bem, também temos nossos olhos no pódio", revela a ciclista portuguesa. "Sei que teremos equipes fortes na categoria mista e isso torna a disputa mais interessante. O elevado número de mulheres na Brasil Ride é um ponto muito salutar", enaltece. 
 
Em sua primeira vez na Brasil Ride, a belga Vladi Pokobova também tem ótimas expectativas para a competição. "Um amigo me contou sobre a Brasil Ride, dizendo que era a mais emocionante prova por etapas que ele já havia participado na vida. Assim, tive que colocar a ultramaratona na minha lista de desejos e neste ano tenho a oportunidade de participar ao lado do brasileiro Renan Silva", conta a atleta.
 
"Nós não nos conhecemos pessoalmente, mas conversamos com bastante regularidade nas redes sociais e estou ansiosa para encontrá-lo e disputarmos juntos a Brasil Ride", relata. "Acredito que será uma batalha realmente difícil e sei que há equipes bem fortes nas duplas mistas. Não tenho ideia de como terminará, mas tenho a certeza que vou dar meu máximo e aproveitar a experiência da corrida e toda a atmosfera que ela está envolvida", finaliza a ciclista belga.
 
O "Hall da Fama" nas duplas mistas: 
 
2017 - Sonya Looney (EUA) e Gordon Wadsworth (EUA)
2016 - Annabella Stropparo (ITA) e Pietro Pellegrini (ITA)
2015 - Nathalie Schneitter (SUI) e Simon Gegenheimer (GER)
2014 - Ivonne Kraft (GER) e Mateus Ferraz (BRA)
2013 - Ivonne Kraft (GER) e Mateus Ferraz (BRA)
2012 - Ivonne Kraft (GER) e Mateus Ferraz (BRA)
2011 - Ivonne Kraft (GER) e Mateus Ferraz (BRA)
2010 - Jennifer Hopkinson-Smith (EUA) e Brian Smith (EUA)
 
A ultramaratona - Considerada a Giro d'Itália do MTB mundial, a prova marcada para os dias 21 a 27 de outubro, no Extremo Sul da Bahia, oferece um desafio e tanto para os 540 atletas do mundo inteiro. Durante sete dias, os participantes têm pela frente cerca de 600 km e quase 11.000 m de altimetria acumulada, entre trilhas e estradas de terra que ligam Arraial d'Ajuda, em Porto Seguro, a Vila Brasil Ride, construída em Guaratinga. 
 
No sétimo e último dia da competição, o sábado (27), mais de 1.200 ciclistas de todo o País juntam-se às estrelas do mountain bike internacional, para a disputa da Maratona dos Descobrimentos. Uma oportunidade única de pedalar e ver de perto os melhores mountain bikers do mundo.
 
Inscrições - As inscrições para a nona edição da ultramaratona estão esgotadas, com 540 inscritos. No entanto, os interessados em sentirem o gostinho de pedalar com campeões olímpicos, mundiais e continentais, devem se apressar para participar da Maratona dos Descobrimentos, na manhã do sábado (27). Para garantir uma vaga na prova que é realizada durante a decisão da Brasil Ride, basta acessar o endereço: http://www.brasilride.com.br/press/prova/MaratonadosDescobrimentos.
 
A nona edição da Brasil Ride tem Specialized, Shimano, Caixa e Unidas - Aluguel de Carros como patrocinadores. O Governo da Bahia, por meio da SUDESB (Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia) e da Bahiatursa (Superintendência de Fomento ao Turismo do Estado da Bahia), também patrocina a ultramaratona, enquanto as Prefeituras de Porto Seguro e Guaratinga estão entre as apoiadoras do evento.
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook