Scheidt estreia na SSL Finals nesta terça (5) em busca do segundo título nas Bahamas

Ao lado do proeiro de Henry Boenning, o Maguila, bicampeão olímpico volta a competir internacionalmente na classe Star, após anunciar o fim do clico olímpico para Tóquio/2020 na 49er. Em Nassau, espera repetir a conquista de 2013 / Foto: DivulgaçãoAo lado do proeiro de Henry Boenning, o Maguila, bicampeão olímpico volta a competir internacionalmente na classe Star, após anunciar o fim do clico olímpico para Tóquio/2020 na 49er. Em Nassau, espera repetir a conquista de 2013 / Foto: Divulgação

Bahamas - Robert Scheidt inicia a luta pelo segundo título da SSL Finals a partir desta terça-feira (5), em Nassau, nas Bahamas.
 
Campeão da fase decisiva da Star Sailors League no ano de estreia da competição, em 2013, o bicampeão olímpico velejará ao lado de Henry Boenning, o Maguila, na primeira competição internacional após anunciar o encerramento do ciclo visando os Jogos de Tóquio, em 2020, na classe 49er. A disputa em águas caribenhas ratifica as palavras do iatismo, que sempre disse estar longe da aposentadoria.
 
Scheidt seguiu para as Bahamas no final de semana para um breve período de aclimatação antes da estreia. “Tivemos quatro dias de treino e pegamos boas condições de vento. Foi bom para acertar os últimos detalhes do barco e agora torcemos para que seja uma semana de tempo bom e que a gente veleje bem desde o primeiro dia. Se conseguirmos, temos muitas chances de brigar pelo pódio. O nível de competição está mais forte do que no ano passado. A cada ano fica mais difícil, mas temos bastante experiência e todas as condições de fazer uma boa semana de regatas aqui em Nassau”, completa o maior medalhista olímpico brasileiro, com cinco pódios, e que nesta segunda-feira (4) participa da cerimônia de abertura da SSL Finals.
 
Velejar de Star, barco que lhe rendeu duas medalhas olímpicas e três títulos mundiais, é sempre motivo de felicidade para Robert. Ao lado de Henry Boenning, ganhou a medalha de bronze da SSL Finals no ano passado. Do total de quatro edições disputadas até agora, o bicampeão olímpico competiu em três. Além do título em 2013, conquistado ao lado de Bruno Prada, e o bronze no ano passado com Maguila, Robert foi quinto colocado em 2014, também com Prada.
 
Título na Cidade Maravilhosa - No período de preparação para a quinta edição da SSL Finals, Scheidt e o proeiro Henry Boenning venceram a Taça Royal Thames 2017, disputada entre 11 e 12 de novembro, no Iate Clube do Rio de Janeiro. “Conseguimos treinar bem no Rio de Janeiro em outubro e em novembro ganhamos a Taça Royal Thames. Foi um bom treinamento para a SSL Finals. Fizemos o máximo possível dadas as condições da nossa parceria, comigo morando na Itália e o Henry no Rio”, explica o bicampeão olímpico de 44 anos, que tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela.
 
O prêmio geral em Nassau é de US 200 mil, mas a motivação do iatista brasileiro vai além dos ganhos financeiros. “O SSL Finals é uma competição de alto nível, muito bem organizada e que cresce a cada ano, reunindo alguns dos melhores do mundo, alguns deles, inclusive, vindos de outras classes, o que torna a disputa bem interessante. Acredito que esta será a competição mais disputada de todas aqui nas Bahamas. É sempre muito bom participar. Vamos ver como vou me sair na Star, depois de passar esta temporada inteira me dedicando a 49er”, afirma.
 
Despedida olímpica - Scheidt tomou a decisão de deixar a 49er e o ciclo olímpico para Tóquio por motivos profissionais e pessoais. “Não é fácil começar do zero, aos 43 anos, em uma categoria que exige muito do físico. Sofri com algumas lesões nessa temporada e o período de recuperação não é mais o mesmo. Eu precisaria de muito mais tempo de treino para chegar competitivo em 2020 e, nessa altura da vida, não quero abrir mão da família. Tenho dois filhos pequenos, minhas maiores medalhas, e estar com eles e com minha mulher é muito importante”, esclareceu o iatista de 44 anos, sobre sobre Erik, de oito anos, e Lukas, de quatro, fruto do casamento com a lituana e também velejadora Gintare.
 
Robert Scheidt tem duas medalhas de ouro olímpicas (Atlanta/96 e Atenas/2004)e uma prata (Sidney/2000) na classe Laser, mais uma prata e um bronze na Star (Pequim/2008 e Londres/2012). Ao todo, são 11 títulos mundiais na Laser e três na Star. Na Rio/2106, terminou na quarta colocação. Scheidt tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

CEO da CBDN

Pedro Cavazzoni fala sobre PyeongChang 2018

Esportes de Neve

Victor Santos fala sobre o Cross Country

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook