Empresa brasileira leva tecnologia para treinamento de tiro

360VIRTU aposta na gamificação para otimizar resultados e reduzir custos / Foto: Divulgação360VIRTU aposta na gamificação para otimizar resultados e reduzir custos / Foto: Divulgação

São Paulo - O alto índice de violência tem causado maior preocupação com a segurança e com a capacitação dos profissionais dessa área. A tecnologia de ponta chega à prática de tiro para aperfeiçoar e otimizar processos, além de reduzir gastos de órgãos públicos e empresas de segurança com treinamento.
 
Simuladores portáteis de tela e ponteiras a laser são alguns dos principais recursos oferecidos no mercado, junto aos simuladores de realidade virtual, o qual a 360VIRTU é pioneira na comercialização no Brasil.
 
Equipados com óculos HTC Vive e armas airsoft, os participantes embarcam em um novo mundo ao entrar nas salas de VR (Virtual Reality). Simulando desde a ocorrência de um assalto à situação de tensão na porta de um banco – no caso de uma empresa de segurança, por exemplo –, os cenários são personalizados de acordo com as necessidades do contratante.
 
O software desenvolvido pela empresa conta ainda com detalhes como áudio binaural, que permite identificar de onde vem cada som, e sensação tátil, a fim de aumentar ainda mais a proximidade da realidade.
 
O treinamento oferece uma experiência imersiva, em que as equipes têm uma visão 360 graus da situação. "Atirar exige memória muscular, empunhadura, agilidade e precisão, além do preparo emocional e psicológico. A tecnologia permite a repetição dos processos com mais facilidade, o que ajuda a aperfeiçoar a prática e maximizar o aproveitamento, em combinação com o treino real", afirma Adne Righi, sócia-fundadora da 360VIRTU.
 
A empresa de segurança de transporte de valores BRINKS, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) e a Guarda Civil de Guarulhos são alguns dos clientes da startup, que foi fundada em 2015.
 
Entusiastas do tiro esportivo também são beneficiados pela 360VIRTU, que oferece suporte e manutenção dos produtos, que são de fabricação própria. Os itens de maior saída são as ponteiras e os simuladores portáteis, adquiridos principalmente por atiradores esportivos e policiais. A expectativa para este ano é de crescer 50% e adicionar novos produtos ao portfólio, como um colete háptico, que vibra quando atingido, simulando os efeitos do tiro no corpo.
 
Adne ressalta que as tecnologias são direcionadas especificamente a profissionais da segurança e à prática de tiro esportivo. "Nosso objetivo é incentivar o esporte e a qualificação de quem trabalha no setor, em prol da qualidade e proteção da vida", declara.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook