Vitórias brasileiras na 24ª Maratona Internacional de São Paulo

24ª Maratona Internacional de São Paulo / Foto: Sérgio Shibuya/MBraga Comunicação24ª Maratona Internacional de São Paulo / Foto: Sérgio Shibuya/MBraga Comunicação

São Paulo – Os brasileiros dominaram a 24ª Maratona Internacional de São Paulo, a principal prova do gênero no país. Na manhã deste domingo, dia 8, no Ibirapuera, Solonei da Silva venceu no masculino pela segunda vez, repetindo o feito de 2012, e Andréia Hessel ganhou no feminino em sua estreia da competição.
 
Solonei marcou o tempo de 2h15min55seg para os 42.195 metros por ruas a avenidas da capital paulista, seguido de perto por outro brasileiro, Wellington Bezerra da Silva, com 2h16min06seg.
 
Já Andréia teve mais tranqüilidade e completou a prova em 2h40min07seg, com uma vantagem de 1min30seg para a segunda colocada, a etíope Shewaye Woldemeskel, 2h41min37seg. A terceira colocação foi da também brasileira Valdilene Silva, com a marca de 2h42min38seg.
 
A 24ª edição da Maratona de São Paulo veio com novidades especialmente no percurso, que se tornou mais linear. Os resultados dos vencedores foram melhores que no ano passado, mostrando que a iniciativa deu certo.
 
“Gostei do percurso, mas segue duro e interessante. Sofri porque tive uma cirurgia no ano passado e não consegui treinar como queria. Meu ritmo não foi adequado o tempo todo, mas o que valeu foi colocar o Brasil no topo do pódio”, destacou o bicampeão.
 
Na prova, Solonei assumiu a ponta a partir do km 34. Ele e Wellington Bezerra, quarto em 2017, foram juntos até quase o fim da prova, quando o vencedor conseguiu abrir e ganhar mais uma vez a Maratona de São Paulo. “Foi meu primeiro evento após a operação e não foi fácil. Quero agradecer ao meu treinador e meu clube pelo apoio e confiança. Não foi o tempo que queria, mas estou muito feliz”, completou.
 
Feminino - Andréia fez bonito em sua estreia na Maratona de São Paulo, sua primeira prova do gênero no país. A atleta é a número quatro do ranking nacional e fez uma prova segura, especialmente a partir da segunda metade. O desempenho positivo pode ser confirmado pela boa vantagem para a segunda colocada.
 
“Foi a realização de um sonho. Todo o treinamento valeu a pena. Correndo em casa, pela primeira, e conseguir o topo do pódio é uma coisa incrível”, destacou a vencedora, que havia corrido duas em Hamburgo e uma no Ibero-Americano, em Buenos Aires, na qual foi a ganhadora. 
 
A atleta também destacou o percurso. "Percurso desafiador e você precisa estar concentrada o tempo todo. Sem dúvida valoriza qualquer conquista aqui”, completou a campeã de 2018.
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

 
 
Curta - EA no Facebook