Mundial de judô 2018: a ousadia e alegria de Eric Takabatake

Eric Takabatake / Foto: Divulgação CBJEric Takabatake / Foto: Divulgação CBJ

São Paulo - Nascido em São Bernardo do Campo, cidade do ABC Paulista, Eric Gomes Takabatake está há poucos dias de encarar mais um grande desafio na sua carreira, indo para a disputa do seu quarto mundial de judô. Assim como muitas crianças, ele tinha um perfil agitado e sempre gostou de praticar esportes. Pensando na energia que o filho tinha e gostando bastante de toda a disciplina que norteia o judô, dona Mary, a mãe de Eric, achou que seria uma boa opção de modalidade para que ele, com oito anos na época, se dedicasse.
 
Foi ali mesmo em um Clube da cidade, o MESC, que então nascia um novo judoca. No começo tratava-se de diversão e de algo que ele gostava de fazer, mas conforme o tempo foi passando e foi ganhando alguns campeonatos, percebeu que poderia ir mais longe. “Acho que quando ganhei o meu primeiro Campeonato Pan-americano, vi que realmente era um negócio que dava para levar a sério, eu ainda não via como profissão, porque eu era muito novo e não pensava muito nisso. Mas eu via que dava para chegar mais longe”.
 
Foi na sua cidade natal que se deu boa parte da sua formação, onde ele permaneceu treinando até os 20 anos. Mas tendo ouvido falar muito bem sobre o trabalho que o Pinheiros desenvolvia no judô e sentindo a necessidade de crescer, procurou o novo Clube para começar a fazer parte da equipe. Ele conta que por coincidência, no mesmo ano que passou a integrar a equipe pinheirense, recebeu a sua primeira convocação para a seleção brasileira.
 
“Eu queria muito competir fora, com atletas de outros países e Pinheiros sempre fazia isso, além de ser um grande Clube, então eu achei que já era hora de sair e buscar novos desafios. Minha primeira convocação foi para um Grand Slam. Como em 2012 era ano de Olimpíada, os judocas olímpicos não iam participar da competição, que era no Rio. A CBJ usou o Troféu Brasil como critério e eu fui um dos medalhistas, então me chamaram”.
 
 Takabatake, conta que esta primeira convocação foi um divisor de águas e a partir dali passou a marcar presença na seleção com frequência. “Foi uma boa experiência, “peguei os quimonos” de caras mais fortes, então isso meio que ampliou o meu mundo. Eu que só lutava aqui no Brasil, as vezes com caras até mais novos, nunca tinha lutado com ninguém da Europa”. 
 
Em relação ao Mundial, o judoca enfatiza que é a competição do ano e que depois de já ter passado por três experiências (disputou os três últimos mundiais: 2014, 2015 e 2017), se sente mais preparado. Além disso, tendo feito parte ativamente do último ciclo olímpico, acredita que neste saberá lidar com mais facilidade. 
 
Tirando as Olímpiadas é a segunda maior competição. É um campeonato muito forte mesmo, reunindo os melhores e todos em busca de um sonho. Eu acredito que hoje eu estou muito melhor, não é nem na questão física, mas de cabeça. Também já conheço os “estresses” do ciclo, tudo que pode acontecer e o que dá para ir afinando. Acredito que hoje eu sou um judoca melhor, pelo menos psicologicamente melhor”. 
 
Eric Takabatake é judoca, mas também curti futebol. E foi a partir do álbum e de uma música do cantor Thiaguinho “Ousadia e Alegria”, lançado em 2012, que acabou caindo no gosto popular através de uma citação do jogador Neymar, considerado um ídolo do futebol, que ele adotou a frase como um lema.
 
“Eu gosto dessa frase por que eu acredito que no judô eu tenho que ter ousadia, para conquistar o que queremos, e alegria, pois faço o que gosto”.
 
Pinheiros no Mundial de Baku 2018 - Dos 22 atletas convocados para representar o Brasil no Campeonato Mundial de Baku, que acontecerá na capital do Azerbaijão no período de 20 a 27 de setembro, nove são do Esporte Clube Pinheiros, sendo seis no masculino e três no feminino. Na próxima quinta-feira (13) parte da equipe começa viajará para Sainte-Généviève-des-Bois, cidade francesa nos arredores de Paris, onde será feita a aclimatação antes da competição. O segundo grupo, com os pesos maiores está programado para viajar no domingo (16).
 
Na França, a delegação ficará concentrada no centro de treinamento da seleção francesa de Rúgbi e os treinos serão no clube Sainte-Généviève Sports Judo. A ida para Baku começará no dia 18 para os atletas dos pesos Ligeiro e Meio-Leve. Os judocas dos pesos Leve e Meio-Médio chegarão ao Azerbaijão no dia 20 e aqueles dos pesos Médio, Meio-Pesado e Pesado chegarão apenas no dia 22. 
 
Confira a lista de judocas do Pinheiros: 
 
Disputas individuais e por equipes
 
Seleção Masculina
Eric Takabatake (60kg)
Phelipe Pelim (60kg)
Charles Chibana (66kg)
Eduardo Yudy Santos (81kg)
Rafael Silva (+100)
 
Seleção Feminina
Gabriela Chibana (48kg)
Érika Miranda (52kg)
Maria Suelen Altheman (+78kg)
Beatriz Souza (+78kg)
 
Veja Também: 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook