Acampamento Nacional de Handebol reúne "amigos para toda a vida"

Além dos treinamentos, projeto junta atletas de diferentes lugares do Brasil e desperta amizades / Foto: Cinara Piccolo/Photo&GrafiaAlém dos treinamentos, projeto junta atletas de diferentes lugares do Brasil e desperta amizades / Foto: Cinara Piccolo/Photo&Grafia

São Paulo - Um é do Norte, o outro é do Sul, um do Sudeste, outro do Nordeste. Em comum, talvez somente o amor pelo handebol. Mas, depois de passar pelo Acampamento Nacional de Desenvolvimento e Melhoria Técnica, a distância dá lugar a amizades sinceras, cumplicidade e muitas histórias para contar. A edição Cadete Masculina, que terminou nessa quinta-feira (9) está cheia de exemplos assim. 
 
Meninos de diferentes lugares conviveram juntos por nove dias, trocaram ideias, experiências, compartilharam sonhos e deram força um ao outro. Mesmo depois de voltarem para casa, muitos pretendem manter contato e não vêem a hora de se encontrar novamente, mesmo que seja cada um de um lado da quadra. 
 
Rafael Reis Tonini, de Arapongas (PR), foi um dos participantes desse acampamento e quer preservar as amizades. "Fiz muitos amigos. Alguns meninos eu já conhecia de campeonatos, mas outros fiz amizade que dá até tristeza na hora de ir embora, porque são amigos que quero manter para sempre", explicou.
 
Outra caso é o de Jackson Rivarola Filho, de Lajes (SC), que quer compartilhar as experiências vividas, mas sem esquecer-se das novas amizades. "Aqui, conheci pessoas de todas as regiões e lugares. Eles têm sotaques diferentes, a cultura também é outra, e isso tudo é demais. Foi uma experiência ótima e quero compartilhá-la também com meus companheiros quando voltar", contou.
 
Ao todo nesta edição, foram 66 jogadores de 16 estados diferentes, além do Distrito Federal: Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Paraná, Alagoas, Pernambuco, Espírito Santo, São Paulo, Maranhão, Pará, Goiânia, Paraíba, Sergipe, Rio Grande do Sul, Amazonas e Bahia.
 
Geração talentosa - Com amigos e muito trabalho realizado nos últimos dias, os atletas tiveram uma nova experiência durante o Acampamento com o auxílio de toda a comissão técnica. Rafael, inclusive, descobriu que pode se tornar um jogador melhor mudando de posição.
 
"Quando eu cheguei aqui, foi uma mudança muito grande, porque eu estava acostumado a jogar como meia esquerda, e, como a visão dos professores é muito mais ampla que a nossa, eles viram que eu me saía melhor como ponta esquerda e me mudaram de posição. Me destaquei muito mais nessa posição do que se eu tivesse ficado na minha posição antiga. Isso foi uma mudança muito boa para mim", disse.
 
Já Marcos Vinícius Santiago Ribeiro, de São Paulo (SP), também se surpreendeu com todos os treinamentos e com a estrutura do Centro Nacional de Desenvolvimento do Handebol, em São Bernardo do Campo (SP).
 
"Quando cheguei, vi que era outro ambiente, outra atmosfera. Os treinos foram mais intensos e bem específicos. Aprendi muitas coisas novas e melhorei outras que eu já conhecia. Aqui, conseguimos trabalhar bem com um período maior de tempo. Espero conseguir representar a Seleção mais para frente, voltar nos Acampamentos, aprender mais e jogar profissionalmente", afirmou.
 
Agora ao final do trabalho, os 20 melhores serão escolhidos para formarem a Seleção Brasileira da categoria. Washington Nunes, técnico da Seleção Adulta Masculina e coordenador de Seleções da CBHb, vê uma geração muito promissora para os próximos anos.
 
"A avaliação deste grupo foi muito positiva. Quando selecionarmos os melhores, se esse grupo treinar os dois anos para o Mundial Juvenil de 2019, posso afirmar, sem sombra de dúvidas, que eles estarão entre os oito primeiros. Se treinarem com bastante afinco e tivermos a possibilidade de fazer jogos internacionais, esses meninos podem ir além disso. É uma geração muito qualificada", declarou.
 
Até agora, o Acampamento deste ano já contou com as categorias Juvenil Feminina, Juvenil Masculina, Cadete Feminina, Cadete Masculina e ainda terá as ações com o Infantil Feminino e Masculino até dezembro.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

CEO da CBDN

Pedro Cavazzoni fala sobre PyeongChang 2018

Esportes de Neve

Victor Santos fala sobre o Cross Country

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook