Atletas realizam sonho de integrar a Seleção de GR

Três ginastas iniciaram a vida esportiva no projeto social e, agora, fazem parte da equipe nacional de ginástica rítmica de conjunto / Foto: Ricardo Bufolin/CBGTrês ginastas iniciaram a vida esportiva no projeto social e, agora, fazem parte da equipe nacional de ginástica rítmica de conjunto / Foto: Ricardo Bufolin/CBG

Aracaju - Uma oportunidade se abriu para três jovens quando elas conheceram o Centro de Excelência Caixa Jovem Promessa. Foi lá que surgiu o amor pela ginástica rítmica e, anos depois, a conquista de estar entre as melhores atletas do Brasil.
 
Descobertas em núcleos mantidos por meio da parceria entre a Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) e a Caixa Econômica Federal, patrocinadora oficial da ginástica brasileira, Alanis Popper Cassaniga Ávila, Emilly Caroline Góes de Souza e Julliana Assunção Gonçalves usaram o sonho como combustível para chegarem à Seleção de Ginástica Rítmica de Conjunto. Em 2017, esse grande momento finalmente chegou.
 
Após a seletiva realizada em março para definir a Seleção, as ginastas deixaram suas cidades de origem e se mudaram para Aracaju (SE) para se juntarem à equipe. Alanis, de Brusque (SC), comemorou a oportunidade. "É uma sensação incrível. No começo, achava que seria impossível conseguir chegar até aqui, pois ainda não tinha nível suficiente para isso. Nunca deixei de treinar e, conforme fui evoluindo, imaginei que um dia isso poderia se tornar realidade", contou a jovem de 16 anos, na ginástica desde os dez e fã da russa Aleksandra Soldatova.
 
Emilly, que tem a mesma idade e é de Manaus (AM), teve certeza do que queria para a vida assim que conheceu a ginástica. "Um dia, eu estava assistindo à ginástica na televisão, vi algumas meninas se apresentando com a fita e disse para a minha avó que queria fazer aquilo também. Ela me levou no Centro de Excelência e lá eu comecei, aos sete anos. Gostava de treinar e comecei a sonhar com a possibilidade de participar da Seleção. A dedicação foi grande até chegar aqui e acredito que o projeto abriu portas para um grande futuro."
 
Quem também está realizando o sonho de integrar a Seleção é Julliana, de apenas 15 anos. Paraense de Belém, a atleta destacou a importância de ter feito parte do Centro de Excelência Caixa. "Com certeza há muitos talentos para serem revelados. Se eu não conhecesse o projeto, eu não estaria na Seleção agora. Fazer parte do conjunto está sendo de grande emoção para mim e para a minha família. Treinar com elas está sendo maravilhoso, pois isso é o que gosto de fazer", disse. 
 
Técnica e coordenadora da Seleção de Conjunto, Camila Ferezin ressaltou o trabalho de iniciação realizado no Centro de Excelência para a detecção de talentos. "Por mais que soubéssemos do sucesso dessa iniciativa, hoje estamos colhendo os frutos com ginastas na Seleção. Então, temos a certeza de que ele já trouxe sólidos resultados para a modalidade, descobrindo e aprimorando essas jovens atletas para servirem à ginástica do Brasil. Muitos outros talentos podem ser descobertos por meio dessa parceira de sucesso entre a CBG e a Caixa". 
 
Para a consultora de marketing da Caixa Econômica Federal, Rosane Garcez, ver de perto esse resultado é muito gratificante. "Nós já temos um ganho imenso pelas crianças estarem praticando esporte. Agora, saber que por meio do projeto algumas delas estão chegando à Seleção, com a possibilidade de representar o Brasil, é um ganho imensurável. Com certeza, isso pode incentivar outras crianças a seguirem o mesmo caminho, pois elas sabem que é possível", frisou. 
 
Segundo a presidente da CBG, Luciene Resende, a entidade sempre teve um olhar especial para as categorias de base, já que somente dando apoio aos jovens ginastas é possível alcançar resultados futuros. Esse pensamento foi importante para descobrir e formar essas jovens atletas. "O sentimento é de orgulho de que a modalidade está cumprindo seu papel social e de formação. Essas meninas são de diferentes Estados (Amazonas, Pará e Santa Catarina) e temos a certeza de que o trabalho de massificação dá certo". 
 
Atualmente, o projeto atende 3.699 crianças entre 5 e 9 anos de idade. Mais do que proporcionar a oportunidade da prática esportiva de forma democrática para elas, o grande objetivo é a inclusão social. Criado em junho de 2008, são, atualmente, 26 núcleos espalhados em todas as regiões do Brasil, sendo 12 de ginástica artística e 14 de rítmica, nos Estados de Alagoas, Amazonas, Distrito Federal, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerias, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e Sergipe.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook