Vôlei Nestlé vence o Dentil/Praia Clube e empata a série semifinal

Tandara comemora com a torcida / Foto: João Pires / FotojumpTandara comemora com a torcida / Foto: João Pires / Fotojump

São Paulo – O Vôlei Nestlé está mais vivo que nunca no playoff semifinal da Superliga. Com a vitória sobre o Dentil/Praia Clube por 3 sets a 1, parciais de 25/17, 25/23 e 20/25 e 25/14, o time do osasco empatou a série melhor de cinco jogo em 1 a 1. Para conquistar o resultado positivo, a equipe de Osasco contou com a força das arquibancadas na noite desta segunda-feira, dia 26.
 
Completamente lotado, o José Liberatti se transformou em um caldeirão de 4 mil vozes gritando e vibrando com Tandara, Bia, Mari Paraíba e cia. Agora, o próximo confronto será em Uberlândia, na sexta-feira, dia 30.
 
A união do time e o apoio da torcida foram as tônicas dos comentários das atletas e comissão técnica. “Foi um jogo muito importante para o nosso time, em casa, junto com a nossa torcida. Fomos para Uberlândia e perdemos no detalhe, mas aqui em Osasco não deixamos isso acontecer de novo. Soubemos aproveitar muito mais as oportunidades que foram criadas e a vitória veio”, disse Tandara, maior pontuadora da partida, com 23 acertos, e ganhadora do troféu VivaVôlei.
 
Nati Martins era só sorrisos após a vitória na partida dessa segunda-feira. “Sabíamos que ia ser difícil, mas jogamos com a força da nossa torcida e conquistamos a vitória. Estou muito feliz. Isso mostra o potencial da nossa equipe, todas que entram no decorrer do jogo, como foi o meu caso, dão o seu melhor, sempre uma ajudando a outra. Agora é voltar a jogar em Uberlândia e lutar para virar a série. Vai ser mais uma batalha, mas vamos com tudo”, afirmou a central.
 
Para o técnico Luizomar, valeu o poder de reação da sua equipe. "Em um playoff de cinco partidas, o controle emocional tem um peso muito grande. Fizemos um grande jogo em Uberlândia e aquela derrota foi muito doída, sabíamos que não podíamos bobear, porque o Praia é o grande favorito, o time que mais investiu, são praticamente dois times, quando você anula uma jogadora, vem outra do banco tão forte quanto. Por tudo isso, nosso time está de parabéns. Tivemos dois dias de trabalho após a primeira rodada e viramos rápido a página de Uberlândia”.
 
O jogo – O Vôlei Nestlé defendeu muito no primeiro set. Não por acaso, Bia atingiu a marca de 100 pontos de bloqueio quando o placar apontava 10/7 para as donas da casa. Mari Paraíba e Tássia varreram o fundo de quadra, proporcionando contra-ataques bem aproveitados, especialmente pela peruana Angela Leyva, maior pontuadora da parcial, com sete acertos. Para completar, o saque funcionou. Além de machucar a recepção do Praia Clube, ainda contou com três aces. O último deles de Nadja Ninkovic, para fechar em 25/17.
 
O Praia voltou mais ligado para o segundo set e conseguiu segurar uma vantagem média de três pontos até Mari Paraíba marcar dois pontos seguidos e empatar no 9/9. As mineiras ainda conseguiram abrir mais dois de vantagem (14/12), mas Tandara deixou tudo igual novamente. Com mais um ace, Ninkovic engatou uma série de saques, com direito a um ace, para virar o placar e deixar o Vôlei Nestlé em vantagem no 16/14. Na sequência, Bia marcou três pontos seguidos e a equipe de Osasco encaminhou a vitória no 21/17. O Praia tentou reagir e encostou, mas Mari atacou no 24/22 e Tandara fechou em 25/23.
 
Luizomar precisou pedir tempo logo no início do terceiro set, quando sua equipe era superada pelo Praia por 5/1. Mas a parcial seguiu complicada para suas comandadas. O Vôlei Nestlé lutava para se manter na cola das mineiras, mas as adversárias conseguiam segurar uma vantagem média de quatro pontos. Quando chegaram ao 21/16, o treinador osasquense parou a partida novamente. E apesar das boas jogadas de Carol Albuquerque, com direito a bola se segunda no 22/18, e dos pontos de Tandara – já havia feito 8 na parcial anterior e 5 no terceiro – o Dentil ganhou por 25/20.
 
A situação mudou no quarto set e o Vôlei Nestlé voltou acelerado. Com Bia pontuando no bloqueio e Tandara encaixando um ace, as donas da casa chegaram ao 7/3. E foi da oposta o décimo ponto, do fundo (10/4). Luizomar garantiu o 12/5 ao ganhar o Desafio e reverter uma marcação de toque no bloqueio de Nati Martins. O Praia encostou no 13/8 e o técnico de Osasco pediu tempo para esfriar o jogo. Deu certo e, na sequência, seu time abriu 18/8, com uma sequência de saques matadores de Mari Paraíba. O serviço foi o diferencial e, com um ace, Nati Martins fez 20/9. Empurrada pela festa da torcida, a equipe de Osasco seguiu com o pé embaixo para vencer com tranquilo 25/14.
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook