Vôlei Nestlé disputa clássico com Sesc/RJ na última rodada da fase de grupos

Mari e Ninkovic treinam bloqueio / Foto: João Pires/FotojumpMari e Ninkovic treinam bloqueio / Foto: João Pires/Fotojump

São Paulo – O Vôlei Nestlé encerra sua participação na fase de classificação da Superliga 2017/18 com um dos maiores e mais tradicionais clássicos do vôlei mundial. A equipe de Osasco enfrenta o Sesc/RJ nesta sexta-feira, dia 2 de março, a partir das 21h30, no Rio de Janeiro com transmissão do Sportv 2.
 
Ambas as equipes estão classificadas para as quartas de final e aguardam o encerramento da última rodada para a definição dos adversários do início da fase final da competição.
 
A oposta Tandara falou sobre a importância do confronto deste sexta-feira. “O time do Sesc/Rio é muito forte, saca muito bem, erra pouco e, com isso, passa a responsabilidade para o outro lado. Para fazer um jogo parelho, acirrado, teremos que fazer a mesma coisa, ou seja, sacar bem e cometer poucas falhas. E jogando bem contra o Sesc, certamente chegaremos mais fortes para os playoffs”.
 
O retrospecto recente é animador. No último confronto entre Vôlei Nestlé e Sesc/RJ, melhor para a equipe de Osasco. A vitória por 3 sets a 1, dia 18 de janeiro, em Lages, Santa Catarina, garantiu vaga na decisão da Copa Brasil, competição a qual o time de Luizomar conquistou o tricampeonato ao bater o Dentil/Praia Clube por 3 a 0.
 
“Foi nossa melhor sequência, a mais regular e a que jogamos em mais alto nível. Seguimos trabalhando para manter o mesmo padrão na Superliga, já pensando nos playoffs”, explica a central Bia.
 
No primeiro turno da Superliga, o Vôlei Nestlé foi superado pelo Sesc/RJ por 3 sets a 2, dia 8 de dezembro de 2017, no José Liberatti. Agora tem a oportunidade de devolver o resultado, porém, não existe clima de revanche entre comissão técnica e atletas.
 
“É um grande duelo e sabemos que existe um histórico e que isso cria uma rivalidade. Mas isso se restringe à quadra. Sempre queremos ganhar e bater grandes adversários é sempre importante para o nosso crescimento. É isso que buscamos”, garante a peruana Angela Leyva.
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook