Tandara brilha e Vôlei Nestlé ganha mais uma na Superliga feminina

Tandara e Ninkovic bloqueiam Tifanny / Foto: João Pires / FotojumpTandara e Ninkovic bloqueiam Tifanny / Foto: João Pires / Fotojump

São Paulo – O Vôlei Nestlé segue invicto no returno da Superliga. O time de Osasco soma agora sete vitórias após bater o Vôlei Bauru por 3 sets 2, com parciais de 25/19, 25/20, 18/25 e 19/25 e 15/10, na noite de ontem, dia 2, no José Liberatti. Mais uma vez, a torcida encheu o ginásio e fez a diferença. Tandara foi a maior pontuadora com 31 acertos (ao lado de Tifanny), a oposta comandou o time com saques matadores no tie break e ganhou o troféu VivaVôlei.
 
Luizomar elogiou sua equipe. “É uma Superliga intensa. Voltamos do jogo em Brasília (vitória por 3 sets a 0) e tivemos somente um dia e meio para estudar Bauru. Estrategicamente, o time foi muito bem. Saio daqui feliz e orgulhoso com a forma como a equipe se comportou, não perdeu a cabeça em nenhum momento, teve espírito de luta e doação”, avaliou o treinador.
 
Tandara também analisou a partida. “Acredito que os dois primeiros sets foram do Vôlei Nestlé e os dois seguintes foram de Bauru. No tie break, retomamos o ritmo para conquistar a vitória, sacando acelerado, quebrando o passe delas. Fizemos um grande jogo e estamos muito felizes com essa vitória dentro de casa e diante da nossa torcida”.
 
No esperado confronto entre Tandara e Tifanny, empate no desempenho individual (31 pontos para cada), mas vantagem da oposta do Vôlei Nestlé, decisiva no saque no quinto set e ganhadora do troféu VivaVôlei como a melhor em quadra. “O mais importante é sempre a vitória da equipe. Treinamos por isso, e fico muito feliz por conquistar mais dois pontos aqui em Osasco”, completou.
 
Após a partida, Tandara se posicionou sobre a questão envolvendo Tifanny, a primeira atleta trans do vôlei brasileiro. “É um assunto delicado. Muitas atletas se posicionaram e receberam críticas. Eu estava me resguardando, esperando esse jogo, porque sabia que seria questionada. Por isso, estudei, conversei com nosso fisiologista, preparador físico, fisioterapeuta, e hoje posso dizer que não concordo com a participação da Tifanny na Superliga Feminina. Quero deixar bem claro que respeito muito a história dela, que é importante para a sociedade. Sou solidária e tenho carinho, porém, independentemente se ela faz diferença ou não em quadra, seu desenvolvimento foi como sexo masculino, tem mais massa muscular, quadril mais fino, o que favorece a impulsão, tem pulmão maior, e leva vantagem. Mas quero deixar claro que não é homofobia, é fisiologia”.
 
O jogo – Com 7 pontos de Tandara, o Vôlei Nestlé venceu o primeiro set por 25/19. E venceu com uma atuação consistente. O saque entrou para desestabilizar o passe de Bauru, que teve dificuldades para superar o bloqueio. Eficiente nos contra-ataques, as donas da casa mantiveram uma vantagem média de 3 pontos. Vantagem que aumentou no final da parcial. Além da oposta, a ponteira Leyva também se destacou, com 5 acertos.
 
O segundo set foi mais equilibrado, com Bauru se mantendo à frente do placar até a parte final da parcial. Foi quando o Vôlei Nestlé voltou a sacar bem e empatou no 17/17 com Bia aproveitando uma bola que voltou de graça, após o serviço de Angela Leyva. Quando Fabíola encaixou mais dois bons saques, Tandara fez 21/19 e Ninkovic ampliou para 22/19. E foi a oposta o fator de decisão. Foram de Tandara os dois acertos que definiram a vitória das donas da casa por 25/20.
 
O terceiro set começou como o segundo, mas teve um desfecho diferente. Quando Bauru fez 4/0, Luizomar pediu tempo e o Vôlei Nestlé equilibrou as ações. Mantendo a cabeça no lugar, as donas da casa viraram no 16/15 com Ninkovic, pelo meio. Porém, as adversárias mantiveram o ritmo e conseguiram quebrar o passe das atletas de Osasco. Com isso, conseguiram ganhar a parcial por 25/18.
 
O quarto set também começou lá e cá. Tandara, variando da força para o jeito, fez 7/6 na largadinha. Porém, Bauru chegou ao empate no 12/12 e deslanchou no placar. Aproveitando erros das donas da casa, abriu vantagem e obrigou Luizomar a parar o jogo no 18/13. O treinador também tentou a reação mexendo peças. Entraram Paula, Nati Martins e Carol Albuquerque. Contudo, as adversárias seguiram melhor e fecharam em 25/19, levando a decisão para o tie break.
 
O tie break começou tenso e equilibrado, O Vôlei Nestlé abriu 3 pontos com um ace de Tandara (6/3). A oposta voltou a carga e fez 7/3 com um ataque do fundo de quadra. Após grande defesa de Mari Paraíba, Angela Leyva explorou o bloqueio para garantir a virada de quadra na frente (8/3). Com mais um ace, Tandara fez 9/3. E só saiu do serviço quando o placar apontava 12/4, com a vitória encaminhada. E apesar de uma certa indecisão para fechar, as donas da casa venceram por 15/10 após um bloqueio de Nati Martins.
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

CEO da CBDN

Pedro Cavazzoni fala sobre PyeongChang 2018

Esportes de Neve

Victor Santos fala sobre o Cross Country

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook