Brasil vence Itália e é campeão pela 12ª vez

Brasil no topo do pódio do Grand Prix 2017 / Foto: Divulgação/FIVBBrasil no topo do pódio do Grand Prix 2017 / Foto: Divulgação/FIVB

China - A seleção brasileira feminina de vôlei é campeã do Grand Prix pela 12ª vez. A equipe do treinador José Roberto Guimarães venceu, neste domingo (06.08), a Itália na final por 3 sets a 2 (26/24, 17/25, 25/22, 22/25 e 15/8), em 2h08 de jogo, em Nanjing, na China.
 
O resultado corou o início do ciclo olímpico da nova geração do voleibol brasileiro em uma campanha marcada pela superação. A Sérvia ficou com a medalha de bronze ao vencer a China por 3 sets a 1 (25/22, 20/25, 25/23 e 25/21).
 
Com o resultado, o time verde e amarelo aumentou o número de conquistas em relação a segunda seleção com mais títulos. Enquanto as brasileiras venceram pela décima segunda vez (1994, 1996, 1998, 2004, 2005, 2006, 2008, 2009, 2013, 2014, 2016 e 2017), os Estados Unidos, segunda equipe com mais conquistas, têm seis.
 
A oposta Tandara e a ponteira Natália tiveram atuações destacadas e foram as maiores pontuadoras entre as brasileiras , com 22 acertos cada. A central Bia, com 12 pontos, também pontuou bem pelo time verde e amarelo. Apesar da derrota, a Itália teve a maior pontuadora do confronto, a oposta Egonu, com 29 acertos.
 
Ao final do confronto, a oposta Tandara comentou sobre a jornada das brasileiras na edição 2017 do Grand Prix que foi coroada com o 12º título do Brasil.
 
“A final em cinco sets representou o que foi o nosso Grand Prix. Enfrentamos muita dificuldade durante toda a competição e nunca deixamos de acreditar. Os percalços que passamos nos deram mais força e hoje somos um grupo mais forte e unido. Hoje tivemos altos e baixos, mas a união prevaleceu e, principalmente, no tie-break entramos em quadra muito determinadas. O grupo está de parabéns por toda a competição”, disse Tandara.
 
O treinador José Roberto Guimarães fez uma análise da participação do Brasil no Grand Prix.
 
“Começar com vitória é sempre muito bom, mas estávamos preparados para tudo. Sabíamos da dificuldade que íamos enfrentar. Jogamos com um time jovem e com poucas jogadoras que tinham sido efetivamente titulares em competições como o Grand Prix. Temos um time em formação que teve pouco tempo de treinamento. Tudo isso foi difícil e nos ajustamos durante o Grand Prix. Ainda temos muito o que melhorar e precisamos treinar bastante. Fechamos muito bem, saímos de situações complicadas e ficamos com o título do Grand Prix”, analisou José Roberto Guimarães , que ainda enalteceu o trabalho do seu assistente técnico, Paulo Coco.
 
 “O trabalho de toda a comissão técnica e das jogadoras foi espetacular. A luta, a dedicação, o tempo que eles se dedicaram para enfrentar as dificuldades foi incrível. Tenho que agradecer todos, mas preciso fazer um agradecimento especial ao Paulo Coco. Ele foi de uma lucidez, colaboração e leitura incríveis. O que ele passou para mim e as jogadoras no dia a dia foi sensacional”, ressaltou José Roberto Guimarães.
 
Desembarque - O time verde e amarelo desembarcará no Brasil no voo JJ 8071 (Latam Airlines) às 4h50 desta terça-feira (08.08) no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.
 
Seleção do Grand Prix - O Brasil ainda teve outros motivos para comemorar neste domingo. A ponteira Natália foi eleita a melhor jogadora da competição e a segunda melhor ponteira e a central Bia ficou com o prêmio de melhor jogadora da sua posição.
 
A campeã olímpica Natália fez questão de ressaltar a força do grupo para a conquista do Grand Prix.
 
“Depois de tudo que passamos nesse Grand Prix, a final tinha que ser decidida no tie-break. Enfrentamos viagens longas, fuso horários, cansaço, e no final, o espírito dessa equipe prevaleceu para sermos campeãs. Estamos crescendo e aprendendo juntas. O grupo todo está de parabéns e esses prêmios individuais são para a equipe porque eu não joguei sozinha. Tenho que agradecer as jogadoras e comissão técnica por todo o apoio que recebi durante o Grand Prix”, explicou Natália. 
 
A central Bia também destacou a alegria a união do grupo verde e amarelo.
 
“A palavra que define a nossa campanha é felicidade. Mesmo nos momentos difíceis nunca perdemos a alegria e a união. Tivemos que vencer os nossos três jogos em casa para nos classificarmos para a Fase Final e na etapa decisiva revertemos um resultado adverso na estreia para a China. Agora é virar a página e pensar no Sul-Americano que é classificatório para o Mundial”, afirmou Bia. 
 
O jogo - O Brasil começou melhor e foi para a primeira parada técnica com quatro de vantagem (8/4). Com Tandara pela pipe, o time verde e amarelo fez 11/7. Numa boa sequência de saques da central Adenízia, o Brasil abriu cinco pontos (14/9) e o técnico da Itália pediu tempo. A paralisação fez bem as italianas que encostaram no marcador (14/12). O time verde e amarelo foi para o segundo tempo técnico com três de vantagem (16/13). Se aproveitando dos erros do Brasil, a Itália deixou tudo igual no marcador (16/16). O final da parcial foi disputado ponto a ponto. Bem no saque, a Itália abriu dois pontos (20/18). Quando o placar estava 23/22 para as italianas,  o treinador José Roberto Guimarães colocou a central Carol para bloquear no lugar da levantadora Roberta. A substituição fez efeito e as brasileiras viraram o marcador fechando o primeiro set por 26/24. 
 
O início do segundo set foi equilibrado. Bem no saque, a Itália abriu três pontos (7/4). A Itália se destacava no bloqueio e a diferença no marcador subiu para quatro pontos (15/11). Quando as italianas fizeram 19/13, o treinador José Roberto Guimarães pediu tempo. O saque italiano dificultava a recepção das brasileiras e a diferença no placar subiu para seis pontos (21/15). A Itália seguiu melhor até o final e venceu o segundo set por 25/17. 
 
O Brasil voltou melhor para o terceiro set e fez 2/1. O set continuou equilibrado. Com Egonu bem no ataque e no saque, as italianas abriram dois pontos (7/5). Quando o placar estava 8/5 para as italianas, o treinador José Roberto Guimarães trocou as ponteiras. Entrou Rosamaria e saiu Drussyla. O time verde e amarelo cresceu de produção e empatou (8/8). O set ficou disputado ponto a ponto. Se aproveitando dos erros do Brasil, as italianas abriram três pontos (13/10). As europeias foram para o segundo tempo técnico com cinco de vantagem (16/11). Quando a Itália abriu sete pontos (18/11), o treinador José Roberto Guimarães voltou a parar o jogo. Numa sequência de saques da ponteira Rosamaria, o Brasil encostou (20/17) e o treinador da Itália pediu tempo. Em seguida, a atacante fez mais dois pontos de saque (20/19). Bem no saque e no bloqueio, o time verde e amarelo virou o marcador (22/21). As brasileiras foram melhores no final da parcial e venceram o terceiro set por 25/22. 
 
A Itália fez os três primeiros pontos da quarta parcial. As italianas foram para o primeiro tempo técnico com três de vantagem (8/5). Bem no saque, a Itália abriu cinco pontos (11/6). Quando o placar estava 14/8 para a Itália, o treinador José Roberto Guimarães trocou as levantadoras. Entrou Macris e saiu Roberta. A Itália foi para o segundo tempo técnico com seis de vantagem (16/10). Depois de um longo rally, o time verde e amarelo diminuiu a diferença no marcador para quatro pontos (16/12). Quando as italianas fizeram 18/12 foi a vez do treinador José Roberto Guimarães pedir tempo. A paralisação fez bem as brasileiras que encostaram (19/16). A Itália segurou a vantagem até o final da parcial e venceu o quarto set por 25/22. 
 
O quinto set começou equilibrado (3/3). Depois de um longo rally, o Brasil abriu três pontos (6/3). Bem no saque e no bloqueio e, com Tandara e Natália definindo no ataque, o time verde e amarelo foi melhor até o final e venceu o quinto set por 15/8 e o jogo por 3 sets a 2. 
 
Grand Prix
 
1ª semana – Ancara (Turquia)
 
07.07 – Brasil 3 x 0 Bélgica (25/22, 25/23 e 25/18) 
08.07 – Brasil 0 x 3 Sérvia (19/25, 20/25 e 19/25) 
09.07 – Brasil 3 x 2 Turquia (24/26, 25/17, 25/18, 22/25 e 15/13)
 
2ª semana – Sendai (Japão)
 
14.07 – Brasil 3 x 0 Sérvia (26/24, 25/17 e 25/22) 
15.07 – Brasil 0 x 3 Tailândia (22/25, 21/25 e 27/29)
16.07 – Brasil 2 x 3 Japão (22/25, 24/26, 25/19, 25/20 e 15/17)   
 
3ª semana – Cuiabá (Brasil) 
Ginásio Aecim Tocantins 
 
20.07 – Brasil 3 x 0 Bélgica (28/26, 25/19 e 25/20) 
21.07 – Brasil 3 x 1 Holanda (25/17, 25/14, 18/25 e 25/19)
23.07 – Brasil 3 x 1 Estados Unidos (25/20, 25/13, 18/25 e 25/18)
 
Fase Final – Nanjing (China) 
 
02.08 – Brasil 0 x 3 China (22/25, 17/25 e 27/29)
03.08 – Brasil 3 x 2 Holanda (25/27, 25/23, 22/25, 25/22 e 15/11)  
 
Semifinal 
 
05.08 – Brasil 3 x 1 Sérvia (20/25, 25/23, 25/14 e 25/23)
 
Final 
 
06.08 – Brasil 3 x 2 Itália (26/24, 17/25, 25/22, 22/25 e 15/8)
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

CEO da CBDN

Pedro Cavazzoni fala sobre PyeongChang 2018

Esportes de Neve

Victor Santos fala sobre o Cross Country

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook