COB e CBSurf apresentam projeto de apoio ao surfe rumo a Tóquio 2020

Tainá Hinckel é uma das apostas do COB e do CBSurf / Foto: Poullenot / WSLTainá Hinckel é uma das apostas do COB e do CBSurf / Foto: Poullenot / WSL

São Paulo - O Comitê Olímpico do Brasil (COB) apoiará a participação da equipe feminina de surfe do Brasil na corrida pela classificação para os Jogos Olímpicos Tóquio 2020.
 
O anúncio oficial do projeto de preparação dos atletas da modalidade foi feito nesta terça-feira, dia 8, na sede da entidade, com a participação da Confederação Brasileira de Surfe (CBSurf) e das três atletas que receberão o suporte por parte das entidades: Tatiana Weston-Webb, Silvana Lima e Tainá Hinckel.
 
O apoio se dará através de suporte para treinamento e participação no Circuito Mundial de 2018 e de 2019, cujo ranking define a participação de até duas atletas por país nos Jogos de Tóquio. A escolha das atletas beneficiadas foi realizada pela Confederação Brasileira de Surfe, de acordo com o Ranking do Circuito Mundial de 2018 e a participação no último Mundial Júnior. Elas terão apoio em passagens aéreas, despesas de viagens e ajuda de custo.
 
“Foi uma reunião importante, onde buscamos passar um pouco da experiência que temos com outras modalidades olímpicas para tentar adaptar à realidade do surfe. Nesse momento, explicamos que o foco será a preparação da equipe feminina, pois entendemos que existia um gap entre as chances do surfe masculino e do feminino. No masculino, temos inúmeros atletas entre os melhores do mundo, dois campeões mundiais e somos o maior país em quantidade de atletas na elite do circuito mundial”, disse Jorge Bichara, diretor de Esportes do COB.
 
Uma das contrapartidas do projeto é que as três surfistas beneficiadas façam palestras pelo Brasil, com o objetivo de motivar novas atletas a começarem na modalidade. “O surfe é uma modalidade muito praticada no nosso país e temos certeza que esse apoio do COB vai estimular ainda mais que outras meninas venham também a praticar o esporte no Brasil”, observou Rogério Sampaio, Diretor Geral do COB, campeão olímpico de judô em Barcelona 92.  
 
A classificação olímpica se dará através do ranking do Circuito Mundial da World Surf League (WSL) de 2019, mas podem ser obtidas também via ISA World Surfing Games 2020 e nos Jogos Pan-Americanos Lima 2019 para os países que, na ocasião, ainda não tenham atingido a quantidade máxima de atletas permitida.
 
“Nós já temos uma atleta excelente, a vice-campeã mundial Silvana Lima. E buscamos repatriar a Tatiana, que competia pelo Havaí. E, nesse momento, estamos investindo na Tainá, de 14 anos, que tem um grande futuro e ano passado ficou como 3ª melhor do mundo Jr. na WSL. Nossa torcida é que apareçam mais atletas de alto nível e que possam disputar com elas. Porque, quem vai representar o Brasil em 2020 são as melhores atletas”, afirmou Adalvo Argolo, presidente da CBSurf.
 
O surfe fará a estreia no programa olímpico nos Jogos de Tóquio 2020, junto com skate, escalada esportiva e karatê. Beisebol e softbol voltam ao Programa. 
 
Uma das pioneiras do surfe feminino no país, Andrea Lopes, atualmente gestora da modalidade dentro da CBSurf, era uma das mais felizes com o anúncio do apoio. Depois de 27 anos como competidora, ela enxerga a ação como o reconhecimento de um trabalho de muitos anos. 
 
Atletas - Aos 21 anos, Tatiana ocupa a 4ª posição no ranking da primeira divisão da WSL, o circuito mundial de surfe profissional (WCT), tendo sido vice-campeã da etapa de Bells Beach, na Austrália, em março. Tatiana nasceu em Porto Alegre, mas com dois meses de idade seus pais se mudaram para o Havaí, onde se radicou. Em abril decidiu defender as cores verde e amarela no Circuito Mundial e tentar a vaga olímpica pelo Brasil.
 
“Eu já queria competir pelo Brasil porque o país estava dando muito apoio ao surfe feminino. É uma mudança de vida. Estamos muito felizes com o apoio da CBSurf e do COB. O surfe feminino vai mandar muito bem para o Brasil e espero que dê tudo certo para que eu possa disputar o ouro nos Jogos Olímpicos”, destacou Tatiana. 
 
A cearense Silvana Lima é um dos maiores nomes da história do surfe feminino nacional. Aos 33 anos, já foi duas vezes vice-campeã do Circuito Mundial, em 2008 e 2009, e ocupa hoje em dia a 10ª colocação entre as melhores do mundo. “Agradeço demais por essa oportunidade que estão dando ao surfe feminino. Estou muito orgulhosa. É um grande sonho poder fazer parte do Time Brasil. Eu moro no Rio de Janeiro e vou aproveitar ao máximo o Centro de Treinamento do COB. Vou fazer todos os exames possíveis. O que estão nos oferecendo é uma estrutura total para o atleta ter conforto, sem se preocupação nenhuma”, reconheceu Silvana. 
 
Para Tainá Hinckel, local da Guarda do Embaú, em Santa Catarina, o apoio do COB e da CBSurf foi como um presente de aniversário, já que ela completou 15 anos nesta terça-feira. Apontada como uma das maiores promessas do surfe brasileiro, é a atual campeã sul-americana na categoria sub-18 e terceira colocada no Mundial Pro Junior (2016).
 
“É incrível estar recebendo esse apoio junto destas grandes atletas. Me inspiro muito na Silvana e na Tatiana. É um esporte caro, que requer muito apoio, então é incrível estar recebendo esse suporte do COB. Agora vamos pra cima porque, mais do que nunca, estou preparada. Sempre sonhei em disputar os Jogos Olímpicos e vou fazer de tudo para fazer parte do Time Brasil e representar nosso país”, projetou Tainá.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook