Um ano depois: Diogo Hubner e Guilherme Toldo relembram a Rio 2016

Guilherme venceu o campeão mundial na Esgrima e Diogo atuou na melhor campanha do Handebol brasileiro masculino em Olimpíadas / Foto: BizziGuilherme venceu o campeão mundial na Esgrima e Diogo atuou na melhor campanha do Handebol brasileiro masculino em Olimpíadas / Foto: Bizzi

Rio de Janeiro - A Olimpíada completou um ano na última semana, mas as lembranças do que ocorreu na Barra da Tijuca em agosto de 2016 permanecem vivas na mente dos atletas Guilherme Toldo (Esgrima) e Diogo Hubner (Handebol). Ambos protagonizaram vitórias históricas em suas modalidades.
 
No dia 07, quinto dia de competições, o esgrimista Guilherme Toldo representou o Brasil no Florete Masculino, na Arena Carioca 3. E no segundo combate, venceu o então campeão mundial Yuki Ota, do Japão, por 15 x 13. A vitória foi transmitida ao vivo e a comemoração na arena foi intensa. Guilherme terminou a campanha na oitava colocação, a melhor conquistada pelo Brasil nas Olimpíadas na Esgrima, ao lado de Nathalie Moellhausen.
 
“Não tem como descrever aquela loucura da torcida e a vibração que vinha das arquibancadas. A medalha não veio, mas eu fiz realmente de tudo para chegar o mais perto dela. Com certeza valeram todos os dias de treino, as escolhas, todas abdicações que eu fiz e todas noites mal dormidas”, lembra Guilherme.
 
Apenas quatro dias depois, na Arena do Futuro, Diogo Hubner e a Seleção Masculina de Handebol jogaram contra a campeã europeia Alemanha, berço da modalidade. A equipe já tinha feito história na competição ao vencer a Polônia na estreia por 34 x 32. Mas o selecionado brasileiro continuou batendo de frente com os poderosos europeus e venceu a Alemanha por 33 x 30, com dois gols de Diogo.
 
“Nossa entrega foi muito grande, isso marcou bastante. O resultado que conquistamos, chegando às quartas de final, se deveu muito à entrega que todos demos nas Olimpíadas. Foi uma vitória muito importante na nossa campanha, e ainda pude marcar gols que ajudaram o grupo. Para completar, os Jogos foram disputados na cidade onde eu nasci e vários familiares estavam na arquibancada. Até hoje é muito difícil descrever exatamente o que foi a Rio 2016 para mim”, relata Diogo. O Brasil terminou a Olimpíada na 7ª colocação, a melhor da Seleção Masculina nas Olimpíadas.
 
Pós-Olimpíada - Ambos retornaram aos seus clubes depois dos Jogos. Diogo Hubner integrou o elenco do São Caetano Handebol para a disputa da Liga Nacional, onde conquistaram a terceira posição, e neste ano, o atleta se transferiu para o Esporte Clube Pinheiros e conquistou o Campeonato Pan-Americano de Clubes e a vaga para o Super Globe, torneio equivalente ao Mundial de Clubes da FIFA.
 
Guilherme continuou intercalando seus treinos entre o Grêmio Náutico União, em Porto Alegre, e o Frascati Scherma, na Itália. Em janeiro deste ano, ele disputou o Challenge International em Paris e conquistou a 14ª colocação, outro grande resultado.
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook