De olho em Tóquio 2020

Planejamento do COB para os próximos Jogos Olímpicos segue em ritmo acelerado / Foto: Washington Alves/Exemplus/COBPlanejamento do COB para os próximos Jogos Olímpicos segue em ritmo acelerado / Foto: Washington Alves/Exemplus/COB

Rio de Janeiro - Passado um ano dos Jogos Olímpicos 2016, os olhos do Comitê Olímpico do Brasil (COB) já miram para Tóquio. O planejamento esportivo da entidade para a próxima edição olímpica, em 2020, segue em ritmo acelerado.
 
O objetivo é chegar na capital asiática, daqui a três anos, com os atletas no auge de suas performances. Para isso, o COB busca oferecer as melhores condições de treinamento e preparação. 
 
“Estamos trabalhando para capacitar e preparar a equipe brasileira da melhor forma possível. Todos os esforços do COB estão voltados para oferecer o melhor preparo aos atletas com chances de disputar os Jogos Olímpicos”, afirma o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman. 
 
Entre as principais ações do COB para este ciclo olímpico estão: detalhamento da preparação física e técnica; participação de treinadores qualificados; treinamento e competições em diferentes partes do mundo; utilização das Ciências do Esporte e prevenção de lesões. Esses cinco pilares formam a base do trabalho de preparação da delegação brasileira para Tóquio 2020.
 
“O objetivo do COB é sempre oferecer toda as condições de preparação para que os atletas e equipes brasileiras melhorem seus resultados e desempenhos. Queremos ver o Brasil competindo bem, e transformar a participação dos finalistas em medalhas. Se seguirmos na direção certa teremos chances de conseguir em Tóquio um bom desempenho”, destaca Agberto Guimarães, diretor-executivo de Esportes do COB.
 
No período que antecede aos Jogos, o COB intensificará as ações de preparação técnica, física e mental e a estruturação esportiva das equipes brasileiras. Para direcionar essas ações, o Comitê Olímpico do Brasil monitora os principais atletas brasileiros e seus adversários, buscando atender, em conjunto com as Confederações Brasileiras Olímpicas, as principais necessidades em termos de treinamento esportivo do Time Brasil. 
 
“Após essa análise, o COB direciona seus investimentos em programas e projetos tecnicamente sustentáveis, com objetivos coerentes com o do COB”, observa Agberto, que, como atleta disputou três Jogos Olímpicos no atletismo (Moscou 1980, Los Angeles 1984 e Seul 1988) e alcançou a quarta colocação nos 800m rasos em Moscou 1980. 
 
Outra importante ação do COB são as bases de treinamento do Time Brasil em Tóquio. Desde que foi escolhida a sede olímpica de 2020, o COB realizou cinco visitas de inspeção à capital japonesa e, com três anos de antecedência, definiu seis bases de treinamento do Time Brasil para o período antes e durante os Jogos Olímpicos. 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

CEO da CBDN

Pedro Cavazzoni fala sobre PyeongChang 2018

Esportes de Neve

Victor Santos fala sobre o Cross Country

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook