Carnaval e arte popular marcam a cerimônia de encerramento

 

Espetáculo de mais de duas horas relembrou pontos turísticos do Rio, teve muita música e passou a bola para Tóquio 2020 / Foto: Buda Mendes/Getty ImagesEspetáculo de mais de duas horas relembrou pontos turísticos do Rio, teve muita música e passou a bola para Tóquio 2020 / Foto: Buda Mendes/Getty Images

Rio de Janeiro - Das pinturas rupestres das cavernas do Piauí ao artesanato contemporâneo de várias partes do Brasil, a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos Rio 2016 fez um passeio pela arte brasileira em suas múltiplas formas, num espetáculo de mais de duas horas no lotado estádio do Maracanã. 
 
Carmen Miranda, Santos Dumont e Tarsila do Amaral foram alguns dos homenageados da noite. “Voltamos ao passado para relembrar como o talento humano deixou marcas até nas paredes das cavernas. De volta ao presente, reverenciamos artistas que fizeram a história da cultura nacional criando obras inesquecíveis”, disse a artista Rosa Magalhães, criadora da cerimônia e carnavalesca premiada no Rio de Janeiro. 
 
Houve ainda uma apresentação tecnológica de Tóquio 2020, marcando a transição para os próximos Jogos, e terminou num grande carnaval, com direito a carro alegórico e marchinhas.
 
Bonecos de barro e estrelas da música - Paisagens famosas do Rio, como o Pão de Açúcar, o Corcovado e os Arcos da Lapa, foram formadas em grandes coreografias de massa, cujos dançarinos voltaram ao final do show para homenagear os jardins de Roberto Burle Marx (1909-1994), com figurinos inspirados em espécies da flora brasileira. 
 
Outras coreografias com projeções de alta tecnologia lembraram as mulheres rendeiras e os artesanatos de bonecos de barro, esta última ao som do forró de “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga. 
 
Três gerações de intérpretes da Vila Isabel, Martinho da Vila, três filhas e uma neta, reverenciaram grandes mestres, como Pixinguinha, Braguinha e Noel Rosa. 
 
Lenine também se apresentou, numa homenagem aos voluntários dos Jogos Rio 2016, e Arnaldo Antunes declamou um poema falando sobre a saudade.
 
Adeus, chama Olímpica - A chama Olímpica foi apagada por uma chuva que caiu enquanto a cantora e atriz Mariene de Castro entoava “Chovendo na Roseira”, executada na sua versão original, gravada pelo próprio Tom Jobim no disco “Stone Flower” (1970). 

A chama se apaga, e os Jogos Olímpicos se despedem do Rio de Janeiro / Foto: Pascal Le Segretain/Getty ImagesA chama se apaga, e os Jogos Olímpicos se despedem do Rio de Janeiro / Foto: Pascal Le Segretain/Getty Images

 
Um grande carnaval no Maracanã encerrou os trabalhos ao som de marchinhas e sambas enredos históricos, com a modelo Izabel Goulart e Renato “Gari” Sorriso liderando um cortejo de 50 baianas e 200 passistas. A atriz Leandra Leal foi a porta bandeira do Cordão da Bola Preta, um dos maiores blocos de rua do país.
 
Último ouro -  A festa marcou, ainda, a entrega das últimas três medalha dos Jogos, aos atletas da maratona. O queniano Eliud Kipchoge ganhou o ouro, o etíope Feyisa Lilesa ficou com a prata e o americano Galen Rupp levou o bronze. 
 
Veja as fotos do encerramento dos Jogos Rio 2016

 

 

 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook