Brasileira busca bicampeonato da Wings For Life World Run na Polônia

Leticia Saltori foi a primeira colocada na corrida de rua sem linha de chegada disputada em Brasília / Foto: DivulgaçãoLeticia Saltori foi a primeira colocada na corrida de rua sem linha de chegada disputada em Brasília / Foto: Divulgação

Polônia - A brasileira Letícia Saltori vai disputar pela segunda vez a Wings For Life World Run. A corrida de rua sem linha chegada, termina quando o carro-perseguidor ultrapassa o atlleta. Em 2016 a curitibana de 29 anos participou da prova realizada em Brasília e conseguiu corer 51 quilômetros, a melhor marca entre as mulheres na etapa brasileira.
 
Para esse ano a ultramaratonista resolveu disputar a prova em Poznan, na Polônia, pois a Wings For Life Worlde Run será disputada simultâneamente em cinco continentes, no domingo, 7 de maio. “Na escolha de qual Wings fazer,realmente fiquei muito na dúvida, meu sonho é correr em Dubai, porém fiquei com um pouco de receio do clima.E este ano eu também tenho outra seletiva que irá levar 4 atletas para representar o Brasil na Finlândia, achei melhor economizar as energias e a Polônia eu ainda não conheço. Parece muito lindo”, aposta a paranaense, que é educadora física, faz parte da seleção brasileira orientação e atleta da marinha.
 
Para repetir o feito conquistador em Brasília, Leticia treina todos os dias sob o commando do técnico Cláudio Castilho. Três vezes na semana volume de treino é entre 12 e 15quiloômetros, além de musculação. Tranquila, a atleta garante que tem muito segredo nesse tipo de prova sem linha de chegada. Para ela,  a principal diferença é que o atleta tem mais liberdade, menos preocupação em concluir um percurso.
 
“Eu sempre falo para quem me acompanha, que em uma prova não se pode ter apenas uma meta, existem metas parceladas,  minha primeira meta: é ter condições de correr no dia, ter saúde mental, espiritual e física ; segunda meta: ir pra cima e fazer o melhor possível, na busca da quebra pessoal de recorde de tempo ou distância;  e a terceira meta: analisar o todo da prova e principalmente as pessoas que estão nela, assim administro as posições que tenho reais condições de chegar”, detalha.
 
1

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

CEO da CBDN

Pedro Cavazzoni fala sobre PyeongChang 2018

Esportes de Neve

Victor Santos fala sobre o Cross Country

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook