Saldo positivo no Mundial Jr & Sub-23 de Canoagem Slalom

Ana Sátila foi o grande destaque com a medalha de prata no K1 e o quarto lugar no C1 Feminino Sub-23 / Foto: DivulgaçãoAna Sátila foi o grande destaque com a medalha de prata no K1 e o quarto lugar no C1 Feminino Sub-23 / Foto: Divulgação

Eslováquia - Foram seis dias de competições no Campeonato Mundial de Canoagem Slalom Júnior & Sub-23 em Bratislava, na Eslováquia, com participação dos canoístas brasileiros em todos os dias, a delegação contou com 12 atletas.
 
Ana Sátila foi o grande destaque do evento ao conquistar a medalha de prata no K1 Feminino Sub-23 e o quarto lugar no C1 Feminino Sub-23. Ao todo o Brasil contou com dez embarcações em semifinais, saldo superior a edição de 2016 na Polônia, quando alcançou a marca de oito barcos nas semifinais. Outros resultados positivos saíram nas provas por equipes com o sexto lugar no K1 Masculino Sub-23 e o oitavo pelo C1 Masculino Sub-23.
 
Sátila ainda poderá participar na sua carreira de mais duas edições do Mundial Sub-23, se continuar com o bom desempenho com duas participações e duas medalhas no K1 Feminino Sub-23 poderá subir mais vezes ao pódio. A primeira medalha veio em 2015, na edição realizada no Brasil, em Foz do Iguaçu-PR. No ano de 2016 ela optou em não participar do Mundial Sub-23 e focou nos Jogos Olímpicos do Rio. Mesmo assim conseguiu durante a 4a Etapa da Copa do Mundo em Praga, na República Tcheca mais uma medalha prateada, a sua conquista mais importante da carreira. E, agora em 2017, mais uma vez garantiu a medalha de prata. “Depois de todo esforço e tanto sacrifício, toda a equipe brasileira é merecedora desse resultado”, lembra a atleta.
 
Com o ingresso do C1 Feminino no calendário dos Jogos Olímpicos a partir de Tóquio 2020 a brasileira começou a focar também nesta categoria. E em Bratislava ela conquistou o quarto lugar. “Muito obrigado a todos pela torcida, e a minha família por me apoiar tanto”, comenta.
 
Outros dois resultados positivos saíram no último dia de provas, quando Renan Soares, Guilherme Mapelli e Guilherme Rodrigues disputaram o K1 Masculino Sub-23 por equipes e conquistaram o sexto lugar na prova. “O que contou bastante foi a força de vontade do grupo, treinamos e analisamos bem a pista, esperávamos uma medalha, mas estamos felizes com este resultado”, diz Soares. Já Felipe Borges, Thiago Serra e Leonardo Curcel garantiram o oitavo lugar no C1 Masculino Sub-23, também por equipes.
 
O saldo de 10 embarcações em semifinais foi superior ao da última edição do evento, na qual o Brasil emplacou oito barcos. Destaque para Omira Estácia que garantiu dois barcos, um no C1 e outro no K1 Feminino Júnior, obtendo o 12º e 22º lugar respectivamente, outros brasileiros que tiveram boas colocações foram Felipe Borges com o 16º no C1 Masculino Sub-23, Beatriz da Motta chegou em 17º lugar no C1 Feminino Júnior e Kauã da Silva garantiu o 18º lugar no C1 Masculino Júnior.
 
Em 2018 o evento será realizado em Ivrea na Itália, e o Brasil segue firme pensando nos resultados futuros.  “Esses atletas são potenciais nomes para brigar por vaga nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, estamos trabalhando muito bem na base, é um esforço conjunto de toda a equipe e a confiança de nossos patrocinadores”, comenta João Tomasini Schwertner, presidente da Confederação Brasileira de Canoagem. A Canoagem Brasileira é patrocinada pelo Banco Nacional do Desenvolvimento - BNDES através da Lei de Incentivo ao Esporte do Ministério do Esporte, além da General Eletric e Itaipu Binacional e apoio do Comitê Olímpico Brasileiro. 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook