Copa Brasil termina com sucesso em Curitiba

Evento terminou neste domingo no Parque Iguaçu, na capital paranaense, e abriu calendário de competições da Canoagem Velocidade e Paracanoagem / Foto: Divulgação/CBCaEvento terminou neste domingo no Parque Iguaçu, na capital paranaense, e abriu calendário de competições da Canoagem Velocidade e Paracanoagem / Foto: Divulgação/CBCa

Curitiba - Terminou neste domingo (12), no Parque Náutico Iguaçu, em Curitiba, a Copa Brasil de Canoagem Velocidade e Paracanoagem 2017 reunindo atletas de diversos estados do país.
 
A competição abriu o calendário de disputas das modalidades deste ano e reuniu atletas que estiveram nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e muitos outros que começam agora a dar suas primeiras remadas em direção aos seus sonhos esportivos.  
 
Medalhista paralímpico - Destaque na Rio 2016 quando conquistou a primeira medalha para a Paracanoagem Brasileira, Caio Ribeiro, chegou em Curitiba de olho na classificação para o Campeonato Sul-americano de Canoagem Velocidade Junior, Sênior e Paracanoagem, que acontecerá em abril, na Colômbia, e para Campeonato Mundial da modalidade, em setembro, na República Tcheca.
 
O “Gold Saci”, apelido do atleta, levou o ouro com facilidade na categoria KL3 e já faz planos para as próximas competições. “Quero ganhar o Sul-americano e o Mundial. Eu tenho uma meta pessoal que é vencer o alemão Tom Kierey porque ele tem duas pernas e o ucraniano Serhii Yemelianov que ganhou no Rio”, disse animado.
 
Cowboy voltou - Depois de quase um ano sem competir em decorrência de um diagnóstico de um problema cardíaco que tornou a prática da canoagem de alta intensidade em níveis competitivos contraindicada, Fernando Rufino, o Cowboy, retornou às águas. Ele participou e venceu no KL2 Masculino 200m e 500m e mostrou porque é um dos grandes nomes da modalidade.
 
“Com certeza foi a prova mais difícil da minha vida, mais difícil até que o Mundial que disputei. Depois de mais de um ano afastado, fiquei muito nervoso antes da prova. Acordei as cinco da manhã e não dormi mais, mas hoje depois da largada senti que tudo voltou ao normal”, desabafou.
 
Exemplo olímpico - “Edinho” (34 anos) como é conhecido o canoísta Edson Silva, é atleta olímpico na Canoagem Velocidade, e é exemplo para os atletas de todas as categorias. Sua trajetória faz parte da evolução do esporte no Brasil. “Sou novo ainda, mais um dos mais experientes. Consegui destaque 200m e agora me consagrei também nos 1000m, espero poder fazer ainda mais e representar o Brasil quem sabe nas duas distâncias e ser exemplo para vários atletas”, falou o atleta.  
 
Nestes dois dias de competição disputou as provas de K1 1000 e 200m e de K2 200m e mostrou que a experiência aliada a muito treino faz diferença nos resultados. Edinho conquistou medalhas nas três provas que disputou, uma prata e dois bronzes.
 
Canoa Feminina Tóquio 2020 - A Canoa Feminina entrou na água hoje na Copa Brasil e a disputa foi bonita entre as atletas seniores do Brasil. Neste ciclo olímpico as atletas têm um desafio a mais: a modalidade fará parte dos Jogos Tóquio 2020. Estarão na programação as provas C1 200m e C2 500m.
 
O Brasil trabalha para estar entre as principais atletas em disputa e entre elas estão Valdenice Conceição (C1), que conquistou ano passado medalha em Copa do Mundo e teve 100% de aproveitamento em competições. Na disputa do C2 as atletas Ângela Aparecida e Andrea Oliveira também estão entre as cotadas para a classificação.
 
“A importância de fazer parte dos Jogos é imensa, lutamos por 12 anos por isso e agora estaremos em Tóquio. Agora é treinar mais forte e focado para conseguir a nossa vaga e fazer nosso trabalho”, comentou Valdenice que foi ouro na Copa Brasil na prova C1 200m.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook