Darlan Romani comemora regularidade de resultados na preparação para o Mundial

Arremessador da B3 Atletismo já superou o índice para a competição de agosto em duas oportunidades e, nesta quarta-feira, disputa mais uma prova preparatória, em Guadalupe, no Caribe / Foto: Osvaldo F./Contrapé/B3 AtletismoArremessador da B3 Atletismo já superou o índice para a competição de agosto em duas oportunidades e, nesta quarta-feira, disputa mais uma prova preparatória, em Guadalupe, no Caribe / Foto: Osvaldo F./Contrapé/B3 Atletismo

São Paulo - Darlan Romani, quinto colocado no arremesso do peso na Rio/2016, está satisfeito com a regularidade de resultados na temporada que tem o Mundial de Londres como principal competição.
 
O arremessador da B3 Atletismo já superou o índice para o torneio (20,50 m) em duas oportunidades - a última foi no sábado, em São Bernardo do Campo, quando venceu a 6ª etapa do Circuito Ouro com 20,62 m - e tem conseguido, constantemente, marcas acima dos 20 m.
 
"A gente treina para ter essa confiança. É dar um passo, depois mais um, mais um, sempre para frente. O objetivo é esse, ser regular. Trabalho para arremessar cada vez mais", disse Darlan, que é o 10º colocado do ranking mundial na prova e, nesta quarta-feira (17/5/2017), disputa uma competição em Guadalupe.
 
A prova no ABC paulista foi a primeira de Darlan após um período de treinos e competições nos EUA. Na cidade de Gainesville, na Flórida, em 28 de abril, o atleta conquistou o índice pela primeira vez, ao conseguir a marca de 20,93 m - seu terceiro melhor resultado da carreira, atrás apenas dos 21,02 m (recorde brasileiro) obtido na final olímpica e os 20,94 m conquistados na qualificação dos Jogos do Rio/2016.
 
"Foi legal treinar nos EUA. Cumprimos os objetivos de treinar e competir. E, acima de tudo, fiz o índice e agora dá para trabalhar com mais calma para o Mundial, sem aquela pressão de ter que fazer o índice. Vou treinar ainda mais duro, mais focado, porque a responsabilidade só aumenta. Se eu me acomodar, o resultado não vem!", afirmou o atleta.
 
Darlan também comemora a evolução do arremesso do peso no Brasil. Se ele foi o primeiro atleta do país a arremessar acima dos 21 metros, hoje vê um segundo arremessador alcançar os 20 metros. "Fiquei muito feliz quando o William Denilson Dourado arremessou 20 metros. A gente vê que a prova está crescendo e as pessoas estão olhando com outros olhos. Estamos elevando o arremesso do peso a um novo patamar. Já temos grandes resultados - a Geisa Arcanjo foi duas vezes finalista olímpica, eu fui quinto na Olimpíada. Estamos crescendo."
 
Arremesso do peso: uma prova de força - Darlan começou no atletismo em Concórdia (SC), sua cidade natal, por incentivo do irmão, e faz parte da B3 Atletismo desde 2014. O arremessador é orientado pelo técnico cubano Justo Navarro, dentro da parceria que o clube tem com a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) para o desenvolvimento da área de arremessos.
 
Nos últimos anos, o atleta se firmou como o principal nome do arremesso do peso masculino no Brasil. Bateu o recorde brasileiro pela primeira vez em 31 de março de 2012, ao alcançar 18,84 m. Em setembro do mesmo ano, o catarinense se tornou o primeiro brasileiro a superar os 20 metros, com 20,48 m. Ainda evoluiu para 20,84 m (em outubro de 2014) e chegou aos 20,90 m em abril de 2015. Na prova classificatória da Olimpíada do Rio, em agosto de 2016, Darlan bateu o recorde brasileiro novamente, com a marca de 20,94 m. Na final olímpica, alcançou o melhor resultado da carreira até agora: 21,02 m.
 
Da origem familiar italiana vem o seu biótipo, adequado a uma modalidade que exige muita força. "Na minha família temos pessoas grandes e fortes", diz Darlan, de 1,88 m e 150 kg. Os calos nas mãos mostram a dureza da preparação para a prova. O peso oficial tem 7.260 kg, mas o atleta chegar a treinar com bolas de ferro de até 10 kg, nos trabalhos de força, ou de 5 kg e 6 kg, para os treinos de velocidade. "O treino de um arremessador nunca será leve, a gente vai ao limite quase todos os dias". No momento atual da temporada, Darlan faz dez sessões de treino, de segunda a sábado, realizando, em média, 100 arremessos diários.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

CEO da CBDN

Pedro Cavazzoni fala sobre PyeongChang 2018

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook